segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Espécie do mês de Fevereiro: Pardal-comum


O pardal-comum (Passer domesticus) ou pardal-de-telhado é uma ave vulgar de coloração acastanhada e com o dorso estriado. Os machos possuem marcas mais notórias, principalmente na plumagem de Primavera, apresentando um “babete” preto, coroa cinzenta e faces acinzentadas. As fêmeas e os juvenis possuem uma plumagem muito mais apagada com uma coloração acastanhada generalizada.


O pardal-comum distribui-se por todo o território continental, parecendo, no entanto, mais abundante no litoral, coincidindo com as regiões mais urbanizadas do país. Normalmente, o pardal-comum encontra-se associado à presença do Homem, sendo por isso observado nas imediações de zonas habitadas, tanto em meios urbanos como em ambientes rurais. Evitando, de um modo geral, florestas densas e extensas. 
O pardal-comum é considerado uma espécie sedentária, embora no fim da época de nidificação, se juntem em grandes bandos, pelo que deverá haver alguns movimentos de âmbito local.


A época de nidificação do pardal-comum tem início em Abril e Maio, embora no sul do país possa ter inicio mais cedo, em Fevereiro. A espécie nidifica nos mais variados suportes, tais como edifícios onde aproveita pequenas cavidades em telhados, fendas ou outras aberturas, postes de electricidade, árvores e ninhos de cegonha-branca. O seu ninho é uma estrutura globular feita de palhas secas e com uma entrada lateral.
A biologia da reprodução encontra-se mal estudada em Portugal, mas na Europa, sabe-se que o pardal-comum pode criar até quatro ninhadas por ano, tendo cada postura 3 a 5 ovos. O período de incubação é de 11 a 14 dias, e as crias abandonam o ninho com cerca de 14 dias de idade.


O pardal-comum alimenta-se junto a zonas urbanas, mas também em terrenos agrícolas, pastagens ou baldios, podendo formar bandos mistos com outras aves granívoras, nomeadamente com outras espécies de pardais. A sua alimentação vai desde sementes de plantas, a comida que vão encontrando um pouco por toda a parte, nas zonas onde habitam.


Bibliografia:
Aves de Portugal, consultado a 10/2014 em: http://www.avesdeportugal.info/pasdom.html
Catry, P., Costa, H., Elias, G. & Matias, R. 2010. Aves de Portugal: Ornitologia do Território Continental. Assírio & Alvim, Lisboa. ISBN: 978-972-37-1494-4.

Sem comentários: