Mensagens

A mostrar mensagens de Setembro, 2016

Campanha de apadrinhamentos

Já olhou bem para estes olhos? O que lhe dizem?
Não deixe que estes olhares desapareçam. Apoie o trabalho do CERVAS e apadrinhe um animal selvagem em recuperação! 
Ajude a fauna selvagem a continuar a ver a vida!


O apadrinhamento de animais selvagens em recuperação no CERVAS consiste numa contribuição simbólica única e com a qual estará a contribuir de forma decisiva na melhoria das condições dos animais em recuperação neste centro.

Ao apadrinhar um animal terá a possibilidade de assistir à sua devolução à Natureza (se tal for possível no final do processo de recuperação) e receberá um certificado de apadrinhamento. Receberá também por e-mail, informação sobre a espécie apadrinhada e poderá também solicitar informações e fotos do animal apadrinhado sempre que quiser. O seu contacto será inserido na lista de divulgação do CERVAS para que possa receber informações sobre as próximas actividades em que poderá participar, tornando-se, desta forma, um membro activo na dinamização da recuperação de animais selvagens em Portugal.



Formas de pagamento:

CHEQUE: Em nome de Associação ALDEIA enviado juntamente com a ficha de inscrição para a morada em cima mencionada.

TRANSFERÊNCIA*: IBAN: PT 50003503540003190733089 CGDIPTPL
(Acção, Liberdade, Desenvolvimento, Educação, Investigação, Ambiente) 

* Enviar comprovativo de transferência por correio para a morada acima indicada, ou por correio electrónico para cervas.pnse@gmail.com

Para mais informações entre em contacto através de:
cervas.pnse@gmail.com
Tlm.  919457984

OBRIGADA!

Devolução à Natureza de 1 águia-cobreira em Gouveia


No dia 11 de Setembro de 2016 o CERVAS recebeu a visita dos participantes no I Passeio de Motas 50 cc organizado pelo Bombeiros Voluntários de Melo.



Esta visita teve como objectivo contribuir para a divulgação do trabalho do CERVAS e para aumentar o conhecimento sobre a fauna selvagem protegida da região junto dos cerca de 50 participantes, oriundos de diversas zonas do país.



No final da visita, durante a qual foram apresentadas as instalações do centro, algumas das espécies e respectivas ameaças, foi devolvida à Natureza uma águia-cobreira (Circaetus gallicus).



Esta ave de rapina dirna migratória de grandes dimensões tinha ingressado no CERVAS em 2014 após ter sofrido uma electrocussão e o processo de recuperação foi longo devido à gravidade das lesões e complicações geradas pelo longo processo de tratamento e todo o stress associado ao mesmo.



A devolução à Natureza decorreu numa zona florestal próxima de áreas agrícolas e mato, numa área onde a espécie ocorre.



O CERVAS agradece aos Bombeiros de Melo por mais esta oportunidade de divulgação e sensibilização ambiental e a todos os participantes no evento pelo interesse demonstrado.


Devolução à Natureza de 2 grifos em Pinhel


No dia 12 de Setembro de 2016 foram devolvidos à Natureza dois grifos (Gyps fulvus) junto no vale do rio Côa em Pinhel.



Ambas os indivíduos eram juvenis que tinham sido encontrados debilitados, um deles em Almeida e o outro na Torre, na Serra da Estrela, e encaminhados para o CERVAS através das equipas do SEPNA/GNR de Vilar Formoso e Gouveia, respectivamente.



Os processos de recuperação consistiram em alimentação, treino de voo e socialização durante algumas semanas e a devolução à Natureza foi realizada num local onde a espécie ocorre regularmente.



Devolução à Natureza de 1 coruja-do-mato em Nespereira, Gouveia.


No dia 6 de Setembro de 2016 foi devolvida à Natureza uma coruja-do-mato (Strix aluco) em Nespereira, Gouveia.


Esta ave de rapina nocturna tinha sido encontrada no chão, na berma de uma estrada nacional, e foi recolhida por habitantes locais que a encaminharam para o CERVAS através do SEPNA/GNR de Gouveia.


No momento do ingresso no centro verificou-se que a coruja apresentava sintomas neurológicos e debilidade relacionados com o atropelamento e por isso o processo de recuperação consistiu em tratamento específico, alimentação, treino de voo e caça com outras aves da mesma espécie.


A devolução à Natureza foi realizada numa zona florestal não muito distante do local da recolha, pela família que tinha encaminhado a coruja para o CERVAS.

Devolução à Natureza de 1 morcego-negro em Gouveia


No dia 7 de Setembro de 2016 foi devolvido à Natureza um morcego-negro (Barbastella barbastellus) em Gouveia.


Este foi o primeiro indivíduo desta espécie ameaçada, considerada rara em Portugal, a ingressar no CERVAS e foi encontrado dentro das instalações da Câmara Municipal de Gouveia, tendo sido recolhido pelos funcionários do Município.


Como não foram detectadas lesões o processo de recuperação consistiu apenas em repouso e alimentação com tenébrios, tendo sido realizado um teste de voo, que foi bem sucedido.


A devolução à Natureza foi realizada a curta distância do local onde o animal tinha sido recolhido, na Mata da Cerca, pois o morcego-negro é uma espécie florestal associada a florestas de folhosas bem desenvolvidas.


Devolução à Natureza de 1 coruja-do-mato em Gouveia


No dia 4 de Setembro de 2016 foi devolvida à Natureza uma coruja-do-mato (Strix aluco) na Mata da Cerca em Gouveia.


Esta ave tinha sido encontrada no chão quando ainda era uma pequena cria e foi encaminhada para o CERVAS pelas pessoas que a recolheram.


No momento do ingresso não foram detectadas lesões e o processo de recuperação consistiu em alimentação, treino de voo, caça e socialização com outras aves da mesma espécie, de diferentes idades.



A devolução à Natureza decorreu ao final da tarde, numa zona florestal onde a espécie ocorre e foi realizada pela Tânia Araújo, dinamizadora do projecto Serra da Estrela Selvagem, a quem o CERVAS agradece mais uma vez pela colaboração e apoio ao trabalho do centro.


Devolução à Natureza de 1 coruja-do-mato em Figueiró dos Vinhos


No dia 2 de Setembro de 2016 foi devolvida à Natureza uma coruja-do-mato (Strix aluco) em Figueiró dos Vinhos.


Esta ave de rapina nocturna tinha sido encontrada no chão e foi encaminhada para o CERVAS pelo ICNF após os particulares que a recolheram a terem entregue no polo de recepção de animais selvagens da Mata Nacional do Choupal.


No momento do ingresso no centro verificou-se que a coruja apresentava lesões numa pata e numa asa, compatíveis com electrocussão.


O processo de recuperação consistiu em tratamento específico, alimentação, fisioterapia e treino de voo, caça e socialização em contacto directo com outras corujas-do-mato, de diferentes idades.


A devolução à Natureza decorreu ao final da tarde numa zona florestal próxima do local onde a ave tinha sido encontrada.