Espécie do mês de Novembro: Bufo-real


O bufo-real (Bubo bubo) é o maior estrigídeo europeu, com um comprimento de 60 a 75cm e uma envergadura de 1,5-1,7. O seu peso atinge os 4kg.
Tem aspecto robusto e compacto, com grandes “orelhas” ou penachos auriculares de penas e grandes olhos alaranjados. Possui os tarsos e dedos cobertos de penas, a plumagem é pardo-amarelada, o dorso tem manchas preto-pardacentas, peito largo, ventre com finas linhas longitudinais preto-pardacentas, com face inferior das asas mais clara. A plumagem em ambos os sexos é de cor idêntica, no entanto a fêmea é um pouco maior. Quanto à silhueta de voo, destaca-se pela cabeça comprida, asas longas e bastante largas.
A sua alimentação vai desde ratos até lebres, sendo o ouriço-cacheiro uma das suas principais presas. Ocasionalmente poderá capturar alguns peixes.


É uma espécie que se distribui desde a Europa Ocidental, Norte de África até à Ásia Oriental, mas que também ocorre na Península Ibérica, sendo no geral considerada uma espécie relativamente rara no que diz respeito à sua distribuição mundial.
Mapa da distribuição dos ingressos por freguesia, no CERVAS, de Bubo bubo, registados entre 2006 e 2009.

Tem preferência por regiões rochosas montanhosas ou vales fluviais, com zonas florestais e terrenos abertos e nus, preferindo os últimos para caçarem. Para nidificar, aproveita buracos em paredes rochosas ou escarpas. Pode, no entanto, também nidificar em planícies onde aproveitam ninhos de outras grandes aves, velhos e abandonados, ou até mesmo no solo.


Constituem um casal permanente ocupando todos os anos o mesmo ninho. A postura é de 2 a 5 ovos em Março/Abril, apenas a fêmea os incuba, durante 31 a 36 dias, e as crias permanecem 35 dias no ninho. Abandonam-no sem ainda saber voar mas mantêm-se por perto, só aprendendo a voar às 9 semanas, sendo que os seus pais continuam a alimentá-los umas mais 10 a 15 semanas.
O estatuto de conservação atribuído pelo ICNB é de “quase ameaçado”. Entre as principais ameaças está a destruição de habitat, sobretudo devido às alterações provocadas pela construção de barragens, o envenenamento e a electrocussão.

Comentários

Goncalo disse…
Acedi por acaso à vossa página que achei bastante interessante. Por curiosidade fui consultar a informação sobre o bufo real, indicando-se aí ser bastante raro na Península Ibérica. Tinha a ideia que era pelo contrário relativamente frequente (ex.: Biodiversidade e Alterações Climáticas na Peninsula Ibérica)
No mapa relativo de distribuição relativo ao bufo real não consta por exemplo na serra de Aire e no vale do Guadiana onde existe e se avista com frequência.
Cumprimentos
CERVAS disse…
Olá Gonçalo!

Antes de mais muito obrigada pelo seu comentário. Relativamente aos pontos que refere no texto do Bufo-real, creio que terá sido um problema de interpretação, de facto o que diz é verdade, no texto pretendemos referir que de uma maneira geral, a abundância do Bufo-real, no que se refere à sua distribuição mundial, é no entanto rara. Quanto ao mapa que se encontra no post não se refere à distribuição do Bufo-real em Portugal mas sim à distribuição dos ingressos por freguesia, no CERVAS desta espécie até à data mencionada na legenda. Pedimos desculpa por qualquer confusão e esperamos ter esclarecido qualquer dúvida.

Até breve;

Daniela Costa
(técnica do CERVAS)

Mensagens populares deste blogue

Espécie do mês de Maio: Cobra-rateira

A empresa Alvespets apoia o CERVAS na recuperação de aves selvagens insectívoras

Espécie do mês de Junho: Víbora-cornuda

Espécie do mês de Setembro: Cágado-mediterrânico

Espécie do mês de Junho: Ouriço-cacheiro

Espécie do mês de Dezembro: Fuinha

O CERVAS recebeu a visita de estudantes de Medicina Veterinária da Escola Universitária Vasco da Gama

24ª edição do Workshop Prático de Recuperação de Animais Silvestres decorreu na Escola Superior Agrária de Coimbra

Espécie do mês de Setembro: Estorninho-preto