Mensagens

A mostrar mensagens de Novembro, 2015

À descoberta dos cogumelos silvestres na Mata da Cerca com o Jardim de Infância de Gouveia


No dia 27 de Novembro de 2015 o CERVAS e o Jardim de Infância de Gouveia (JIG) dinamizaram mais uma saída de campo "à descoberta dos cogumelos silvestres", na mata da Cerca.



Esta foi mais uma actividade organizada em parceria no âmbito do Programa Eco-Escolas em Gouveia e, à semelhança de outras anteriores, teve como objectivo divulgar a rica biodiversidade micológica da região e estimular as crianças para conhecerem melhor os seres vivos que há na floresta e as suas relações biológicas.



As crianças puderam caminhar livremente na floresta durante cerca de uma hora, e à medida que iam encontrando cogumelos, estes eram identificados pelos técnicos do CERVAS, que apresentavam algumas das suas características, pormenores e curiosidades relacionadas com as relações entre os fungos e outros seres vivos, nomeadamente com as árvores e insectos.



O CERVAS agradece mais uma vez ao JIG pelo convite e continua disponível para futuras acções de educação ambiental em parceria.


Devolução à Natureza de 1 coruja-do-mato na Escola Superior Agrária de Coimbra


No dia 26 de Novembro de 2015 foi devolvida à Natureza uma coruja-do-mato (Strix aluco) na Escola Superior Agrária de Coimbra (ESAC), no âmbito da Semana da Ciência e Tecnologia



Esta foi mais uma actividade organizada em parceria com o Centro de Estudos de Recursos Naturais, Ambiente e Sociedade (CERNAS) e com a ESAC e que permitiu a que estudantes e docentes tivessem mais uma oportunidade de conhecer melhor a fauna selvagem autóctone.



A primeira parte da acção consistiu numa oficina de campo sobre aves de rapina nocturnas, em que foram apresentadas as espécies existentes em Portugal e respectivas características e ameaças.


De seguida foi devolvida à Natureza uma coruja-do-mato (Strix aluco) que tinha sido atropelada e que tinha sido encaminhada para o CERVAS através do SEPNA/GNR de Coimbra e Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).


No momento do ingresso no CERVAS esta ave não apresentava lesões graves mas estava magra, apática e com descoordenação motora pelo que o processo de recuperação consistiu em estabilização, alimentação, treino de voo, caça e socialização com outras aves da mesma espécie.


O CERVAS agradece mais uma vez a colaboração do CERNAS e da ESAC e em especial à Myriam Kanoun-Boulé pela constante disponibilidade e dedicação.

Devolução à Natureza de 1 mocho-galego em Midões, Tábua.


No dia 26 de Novembro de 2015 o CERVAS visitou o Jardim de Infância em Midões, Tábua, para abordar o tema das aves de rapina nocturnas e devolver à Natureza um mocho-galego (Athene noctua).



A primeira parte da acção consistiu na apresentação das várias espécies de aves de rapina nocturnas que existem em Portugal e respectivas características.



De seguida, no exterior da escola, as crianças e educadoras ficaram a conhecer a história do mocho-galego que foi encontrado dentro de uma habitação em Casal da Senhora, a poucos metros do local, possivelmente apanhado por gatos, e encaminhado para o CERVAS pelo casal de proprietários da habitação.



No momento do ingresso no centro verificou-se que o animal estava magro e apático mas não apresentava lesões graves pelo que o processo de recuperação consistiu em estabilização, alimentação, treino de voo, caça e socialização com outros mochos-galegos de diferentes idades.


A devolução à Natureza teve lugar a poucos metros da habitação onde o mocho tinha sido encontrado, numa zona de olival onde a espécie é observada com frequência.


O CERVAS agradece ao Jardim de Infância de Midões pelo interesse e disponibilidade e à Ana Plácido e ao Paulo Loureiro pelo esforço e dedicação na recolha e encaminhamento de mais um animal e colaboração na dinamização da acção de educação ambiental.


Devolução à Natureza de 1 águia-d´asa-redonda em Seia.


No dia 23 de Novembro de 2015 foi devolvida à Natureza uma águia-d´asa-redonda (Buteo buteo) em Seia.


Esta acção decorreu nas instalações da Escola Superior de Turismo e Hotelaria (ESTH) em Seia e envolveu os participante no Workshop de Micoturismo e Gastronomia Tradicional.


Esta ave tinha sido encontrada dentro de um poço e não apresentava lesões graves no momento em que ingressou no centro mas estava magra e debilitada.


O processo de recuperação foi por isso simples e relativamente rápido e consistiu em estabilização, alimentação, treino de voo e socialização com outras águias-d´asa-redonda.


A devolução à Natureza decorreu numa zona florestal próxima de campos agrícolas junto à baixa do rio Seia, onde a espécie é observada com regularidade.


O CERVAS participou no Workshop de "Micoturismo e Gastronomia Tradicional - relação de simbiose" na Escola Superior de Turismo e Hotelaria em Seia.


No dia 23 de Novembro de 2015 o CERVAS participou no Workshop de Micoturismo e Gastronomia Tradicional - relação de simbiose.


Esta actividade decorreu na Escola Superior de Turismo e Hotelaria (ESTH) em Seia e teve um programa que abordou diversas vertentes do Micoturismo na Serra da Estrela.


A primeira parte da participação do CERVAS consistiu numa comunicação oral sobre Micologia e Conservação da Natureza na Serra da Estrela - a experiência da Associação ALDEIA / CERVAS.


Após a sessão de 5 palestas que decorreu durante a manhã, onde foram focados os conceitos básicos sobre micologia, as questões de conservação dos recursos naturais, o aproveitamentre turístico e o potencial de desenvolvimento económico desde uma perspectiva empresarial e ainda a gastronomia, foi realizada uma visita às instalações de uma empresa de produção de cogumelos, a MICONATURIS.




De seguida, novamente nas instalações da ESTH, foi realizada uma saída de campo de iniciação à identificação de cogumelos silvestres, durante a qual os participantes puderam ficar a conhecer alguma da diversidade micológica existente numa zona mista de carvalhal e pinhal.




O CERVAS agradece à ESTH, nomeadamente ao Manuel Salgado, pelo convite, e está disponível para futuras acções em parceria que contribuam para um maior conhecimento e aproveitamento sustentável dos recursos micológicos na Serra da Estrela.

Devolução à Natureza de 1 coruja-das-torres com o Jardim de Infância de Gouveia


No dia 23 de Novembro de 2015 foi devolvida à Natureza uma coruja-das-torres (Tyto alba) com as educadoras, alguns pais e crianças do Jardim de Infância de Gouveia.


Esta ave tinha entrado acidentalmente para um edifício, não apresentava lesões e por essa razão apenas foi necessário avaliar e alimentar o animal e seguidamente realizar testes de voo.


A devolução à Natureza teve lugar ao final da tarde junto a zonas agrícolas, próximas de áreas florestais, num local próximo de onde a coruja tinha sido recolhida.



Devolução à Natureza de 1 coruja-do-mato em Fornotelheiro, Celorico da Beira


No dia 22 de Novembro de 2015 foi devolvida à Natureza uma coruja-do-mato (Strix aluco) em Fornotelheiro, Celorico da Beira.


Esta ave tinha sido encontrada na berma da estrada após ter sido atropelada e foi encaminhada para o CERVAS através do SEPNA/GNR da Guarda.


No momento de ingresso no CERVAS verificou-se que a coruja apresentava uma lesão ocular provocada pelo trauma e o processo de recuperação consistiu em tratamento específico, e posteriormente treino de voo, caça e socialização com outras corujas-do-mato.


A devolução à Natureza teve lugar junto a uma zona florestal, no final do 1º Passeio Micológico da ADRC de Fornotelheiro, na presença dos participantes no evento.


O CERVAS participou no 1º Passeio Micológico da ADRC Fornotelheiro


No dia 22 de Novembro de 2015 decorreu o 1º Passeio Micológico da Associação Desportiva, Recreativa e Cultural (ADRC) de Fornotelheiro, Celorico da Beira.


O CERVAS participou nesta actividade dinamizando uma saída de campo durante a manhã para identificação de espécies de cogumelos silvestres.



O principal objectivo foi a divulgação da rica biodiversidade de fungos existentes na região e sensibilização da população para as práticas correctas de recolha de cogumelos.


Naturalmente, um dos pontos em destaque foram as más práticas de colheita de míscaros (Tricholoma equestre) e consequente impacto da diversidade fúngica, bem como alguns mitos relacionados com a identificação de cogumelos.


No final da manhã foram identificadas as cerca de 40 espécies recolhidas, que foram devidamente organizadas e catalogadas numa exposição micológica que os participantes puderam observar, conjuntamente com bibliografia sobre micologia.


Em simultâneo foi-se preparando o almoço com cogumelos recolhidos no campo, maioritariamente Lactarius deliciosus e Lepista nuda.



Após o almoço foi apresentada uma breve comunicação sobre identificação de cogumelos silvestres com o objectivo de consolidar os conhecimentos aquiridos pelos participantes durante a actividade.


Para o final estava ainda reservada uma surpresa que foi a devolução à Natureza de uma coruja-do-mato (Strix aluco) recuperada no CERVAS.