Mensagens

A mostrar mensagens de Março, 2013

Devolução à Natureza de uma coruja-do-mato na Casa de Santa Isabel


No dia 30 de Março de 2013 foi devolvida à Natureza uma coruja-do-mato (Strix aluco) na Casa de Santa Isabel, em S. Romão, Seia.


Durante a tarde teve lugar uma pequena conversa sobre fauna selvagem com todos os habitantes, colaboradores e visitantes deste Instituto de Pedagogia Curativa e Socioterapia.


Durante esta acção de educação ambiental foram apresentados alguns aspectos relacionados com a ecologia e anatomia das espécies com que o CERVAS trabalha e os participantes puderam contactar directamente com diversos tipos de materiais biológicos.


De seguida, no exterior, foi apresentada a história da ave que de seguida viria a ser devolvida à Natureza, e houve ainda oportunidade para falar sobre algumas das causas de ingresso e problemas de conservação da fauna selvagem de Portugal.


Esta coruja-do-mato tinha sido encontrada ferida, possivelmente após atropelamento, e foi encaminhada para o CERVAS através do SEPNA/GNR e Vigilantes da Natureza do Parque Natural da Serra da Estrela.


A ave apresentava uma lesão ocular causada pelo trauma violento e após o seu tratamento esteve em processo de treino de voo e caça. A libertação foi efectuada ao final da tarde numa zona florestal, um habitat adequado à espécie.


O CERVAS agradece à Casa de Santa Isabel por todo o interesse e alegria com que todos os seus elementos participaram na actividade e está disponível para futuras acções.

Devolução à Natureza de 1 peneireiro-vulgar em Valezim, Seia


No dia 30 de Março de 2013 foi devolvido à Natureza um peneireiro-vulgar (Falco tinnunculus) em Valezim, Seia.


Esta ave tinha sido encontrada ferida em Outubro de 2012, presa numa rede junto a uma estrada e foi recolhida por particulares que a entregaram à GNR, que por sua vez a encaminhou para o CERVAS.


Após avaliação no centro verificou-se que o peneireiro tinha uma fractura numa das asas e o tratamento consistiu na imobilização da asa com posteriores períodos de fisioterapia e treino de voo e caça em contacto com outra aves da mesma espécie.



A libertação foi realizada no próprio local onde a ave tinha sido encontrada, pelas pessoas que a encaminharam para o CERVAS e outras que se juntaram para presenciar a acção.


Saída de campo: Observação de Aves no Rio Mondego


No dia 29 de Março de 2013 a ALDEIA/CERVAS realizou uma saída de campo dedicada à observação de aves no Rio Mondego.



Durante a manhã foram visitados vários locais no concelho de Gouveia e durante a tarde no de Seia, em zonas próximas ao rio Mondego e ribeiras afluentes.



Apesar da chuva foi possível registar 41 espécies de aves sendo de destacar algumas que acabam de chegar de África, como é o caso do andorinhão-preto (Apus apus) ou da felosinha-ibérica (Phylloscopus ibericus), ou espécies invernantes que estão prestes a partir, como o corvo-marinho-de-faces-brancas (Phalacrocorax carbo).



Brevemente serão divulgadas em www.aldeia.org novas saída de campo para observação de aves noutros habitats da região.



Devolução à Natureza de uma gineta em Gouveia


No dia 23 de Março de 2013 foi devolvida à Natureza uma gineta (Genetta genetta) no Curral do Negro, em Gouveia.


Esta acção foi organizada pelo CERVAS em parceria com estudantes de Engenharia Ambiental da Universidade de Coimbra que estavam a realizar actividades na Serra da Estrela.


A primeira parte da acção consistiu numa breve oficina sobre fauna selvagem durante a qual foram apresentadas algumas espécies com as quais o CERVAS trabalha e as suas principais características.


De seguida, ao final da tarde, no interior da zona de carvalhal do bosque do Curral do Negro, na presença de cerca de 40 pessoas, procedeu-se à libertação da gineta.


Este indivíduo tinha ingressado no CERVAS em Janeiro após ter sido capturado numa armadilha e estava debilitado, apresentando também uma lesão ocular.


Após cerca de 2 meses de recuperação este animal foi devolvido à Natureza num local diferente de onde tinha sido capturado, mas que apresentava condições ecológicas consideradas adequadas para a espécie. 



Mini-Workshop Práctico de Necrópsia de Aves Selvagens no CERVAS


Durante os dias 23 e 24 de Março de 2013 a Associação ALDEIA / CERVAS dinamizou o Mini-Workshop Práctico de Necrópsia de Aves Selvagens em Gouveia.


Esta actividade decorreu nas instalações do CERVAS e foram utilizados diversos cadáveres de aves que tinham ingressado mortas no centro ou que morreram durante o processo de recuperação.


O curso foi totalmente práctico e, após uma breve introdução e exemplificação da técnica de necrópsia por parte dos formadores, os 8 formandos, oriundos de diversas zonas do país, tiveram a oportunidade de realizar necrópsias a mais de 30 aves de espécies diferentes durante todo o evento.


O contacto com uma grande diversidade de espécies permitiu abordar diferentes aspectos da anatomia comparada de aves selvagens, e a grande percentagem de aves de rapina que estava disponível permitiu também um estudo detalhado de características relevantes para a determinação de sexo e idade dos vários indivíduos, nomeadamente as biometrias, muda das penas, entre outras.


Sempre que possível foi disponibilizado todo o historial e informação clínica de cada um dos animais para que o exame realizado pudesse ser o mais minucioso possível no sentido de determinar a causa de morte, através da interpretação das lesões detectadas.


Tal como é habitual nas necrópsias realizadas no CERVAS foram recolhidas amostras de vários órgãos de todos os animais para fins de investigação, que é realizada em parceria com diversos investigadores e entidades que têm colaborado com o CERVAS nos últimos anos.


A ALDEIA/CERVAS irá continuar a organizar acções sobre esta temática no futuro, e toda a informação sobre as mesmas será divulgada em www.aldeia.org.

CERVAS no Dia da Floresta em Manteigas


Tal como em anos anteriores a Associação ALDEIA/CERVAS participou nas comemorações do Dia da Floresta em Manteigas no dia 21 de Março de 2013.


Esta iniciativa foi organizada pela Câmara Municipal de Manteigas e contou com a participação de diversas instituições da região, nomeadamente o ICNF, a GNR, Bombeiros e Sapadores Florestais.


A primeira acção da manhã consistiu na plantação de várias árvores, maioritariamente de espécies autóctones, por parte de crianças e jovens de uma escola de Manteigas e da AFACIDASE, auxiliados por elementos das diferentes entidades participantes.


O CERVAS contribuiu com a realização de uma breve oficina sobre a fauna selvagem, com destaque para algumas das espécies florestais que existem na região.


De seguida procedeu-se à devolução à Natureza de uma águia-de-asa-redonda que tinha sido recolhida numa zona próxima no final de 2012 e que esteve em recuperação no CERVAS durante cerca de 3 meses.


O local  da actividade tinha as condições necessárias para a espécie por ser uma zona florestal com campos agrícolas, nas proximidades do Rio Zêzere.


O CERVAS agradece o convite que mais uma vez foi feito pelo Município de Manteigas e continua sempre disponível para participar em futuras acções que promovam a biodiversidade da região e que contribuam para a Educação Ambiental da população.


Escola Secundária Pinhal do Rei visitou o CERVAS


No dia 16 de Março de 2013 o CERVAS recebeu a visita de alunos e professores da Escola Secundária Pinhal do Rei, da Marinha Grande.


Os cerca de 50 visitantes dividiram-se em grupos de forma a poderem conhecer as diferentes zonas do centro e também do Parque Ecológico de Gouveia.


Tal como tem sido habitual neste tipo de acções, os visitantes tiveram a oportunidade de conhecer as espécies que ingressam no centro e as suas principais ameaças e causas de ingresso, através do contacto  com o material pedagógico do kit de educação ambiental do CERVAS.


Desta forma foi possível realizar diferentes sessões onde foram apresentadas breve noções sobre identificação, morfologia, hábitos alimentares, entre outros aspectos relacionados com os diferentes grupos de animais com que o CERVAS trabalha.


O CERVAS agradece o interesse demonstrado por todos os alunos e professores e está disponível para futuras acções de colaboração ao nível da Educação Ambiental.


Espécie do mês de Março: Geneta



De origem Africana , a geneta (Genetta genetta) é um carnívoro com o corpo delgado e alongado como um felídeo, apresentando membros curtos e cauda comprida com extremidade afilada e anéis escuros que alternam com a pelagem cinzenta que apresenta manchas escuras que se fundem muitas vezes para formar listas longitudinais. As garras são semi-retrácteis. 


O período de reprodução ocorre durante todo o ano, embora o pico dos nascimentos se verifique em Abril-Maio e Agosto-Setembro. O período de gestação dura 70 dias e têm 1-4 crias por cada 2 ninhadas por ano. Atingem a maturidade sexual aos 2 anos. Os juvenis abandonam o ninho às 8 semanas, ocorrendo o desmame só aos 6 meses e tornam-se independentes a partir dos 12 meses.


A geneta prefere áreas sossegadas, longe de habitações humanas, de preferência com vegetação densa e terrenos rochosos, bosques com cursos de água. Pode habitar até 2000 metros de altitude. O ninho encontra-se em árvores ou tocas, entre as rochas ou debaixo de arbustos, sendo forrado com vegetação. Visto ser uma espécie crepuscular e nocturna, durante o dia, repousa nas copas cerradas das árvores como as coníferas ou castanheiros. 


A geneta é omnívora, alimentando-se principalmente de roedores (essencialmente ratos), coelhos, bagas e insectos.


A geneta está classificada como espécie Pouco Preocupante (LC), mas incluída no anexo III da convenção de Berna. Os principais factores de ameaça estão relacionados directamente com actividades humanas, nomeadamente com as medidas de controlo de predadores, implementadas pelas Zonas de caça dos diversos regimes cinegéticos e a elevada densidade da rede viária.