Mensagens

A mostrar mensagens de Agosto, 2012

Devolução à Natureza de um britango em Fonte de Aldeia


No dia 29 de Agosto às 13h foi devolvido à Natureza um britango (Neophron percnopterus) em Fonte de Aldeia, Miranda do Douro.


Esta ave tinha sido encontrada por um pastor da aldeia, junto a uma charca próxima de uma estrada, debilitada e sem capacidade de reacção.


Após ter sido acolhida por particulares durante as primeiras horas o britango foi transportado para o CERVAS pelo Parque Natural do Douro Internacional.


No momento do ingresso não foram detectadas lesões pelo que o processo de recuperação, que envolveu alimentação e treino de voo, foi o mais rápido possível, tendo também em consideração que a espécie está prestes a entrar no período de migração para África.


A ave foi devolvida à Natureza pelos particulares que a encontraram e auxiliaram nas primeiras horas, no local onde a ave tinha sido encontrada, na presença de cerca de 35 pessoas.


Devolução à Natureza de um grifo em Freixo-de-Espada-à-Cinta


No dia 29 de Agosto de 2012 foi devolvido à Natureza um grifo (Gyps fulvus) em Fornos, Freixo-de-Espada-à-Cinta.


Esta ave juvenil tinha sido encontrada debilitada após ter voado contra a parede de um edifício e tinha sido encaminhada para o CERVAS pelo SEPNA/GNR da Guarda.


Após cerca de um mês de permanência no CERVAS para recuperação da condição corporal e treino de voo, esta ave foi devolvida à Natureza no miradouro do Carrascalinho, no Parque Natural do Douro Internacional, junto de uma colónia de grifos.


Cerca de 12 pessoas que estavam de visita ao local tiveram a oportunidade de assistir ao regresso do grifo à Natureza após uma breve sessão de esclarecimento sobre a história do animal e a ecologia da espécie.


Este indivíduo foi o primeiro ingresso de 2012 na época de dispersão dos juvenis após saída do ninho, tendo sido também o primeiro a ser libertado. Outros seguirão o mesmo caminho durante as próximas semanas.


Devolução à Natureza de 1 mocho-galego e 1 coruja-do-mato em S. Pedro do Sul


No dia 27 de Agosto de 2012 às 19:45 foi devolvido à Natureza um mocho-galego (Athene noctua) em Vila Maior, S. Pedro do Sul.


Esta ave juvenil tinha ingressado no CERVAS após ter sido apanhada por um gato que a "entregou" ao seu proprietário, que por sua vez a encaminhou directamente para o CERVAS.


No momento do ingresso o mocho ainda estava em estado de choque, apresentava falta de algumas penas de voo mas não tinha lesões graves pelo que a recuperação foi relativamente simples e consistiu em tratamento das lesões e alimentação, com posterior treino de voo e caça em conjunto com outros mochos-galegos.


A devolução à Natureza foi realizada no local onde a ave terá sido apanhada pelo gato e presenciada por cerca de 30 pessoas, maioritariamente habitantes locais.



No mesmo dia, às 20:30, em Arcozelo, S. Pedro do Sul, foi devolvida à Natureza uma coruja-do-mato (Strix aluco).


Esta ave tinha sido encontrada ainda muito jovem por uma família que a manteve ao seu cuidado durante várias semanas. Após contactos com várias entidades, estes particulares encaminharam a coruja para o CERVAS através do SEPNA/GNR de Viseu, de forma a que fosse possível realizar a recuperação em conjunto com outros animais da mesma espécie, o que é fundamental nestas situações com indivíduos muito jovens.


A ave não apresentava lesões e, apesar do prolongado período de contacto com humanos, os sinais de impregnação/domesticação eram praticamente inexistentes, pelo que a evolução física e psicológica do animal decorreu da forma habitual nesta espécie.


A devolução à Natureza foi realizada no local onde a ave tinha sido encontrada, na periferia da aldeia e junto de uma área florestal.

Devolução à Natureza de 3 milhafres-pretos e 1 mocho-galego em Coimbra e Anadia


No dia 27 de Agosto de 2012 às 17h foram devolvidos à Natureza 3 milhafres-pretos (Milvus migrans) na Mata Nacional do Choupal em Coimbra.


Uma das aves tinha ingressado em Julho de 2011 após queda do ninho e foi encaminhada para o CERVAS pela Reserva Natural do Paul da Arzila (RNPA). A plumagem apresentava problemas de desenvolvimento que impediram a sua libertação no mesmo ano, tendo permanecido em contacto com outras aves de rapina enquando as penas recuperavam. 


A ave adulta tinha ingressado no CERVAS através do SEPNA-GNR da Guarda a 08-06-12 com uma fractura numa das asas. O tratamento consistiu em imobilização da asa e posterior fisioterapia e treino de voo.


O indivíduo juvenil tinha ingressado a 09-08-12 após queda do ninho, encaminhado pelo SEPNA-GNR de Viseu. A rápida recuperação consistiu em desenvolvimento de plumagem e treino de voo e contacto com outras aves de rapina.


Tendo em consideração o facto da espécie já ter iniciado o período de migração nalgumas zonas do país optou-se pela devolução destas aves à Natureza na Mata Nacional do Choupal visto que na zona de Coimbra ainda permanecem alguns milhafres-pretos.



No mesmo dia às 19h, em Pereiro, Anadia, procedeu-se à devolução à Natureza de um mocho-galego (Athene noctua).


Esta ave tinha sido encontrada por particulares na varanda de uma habitação provavelmente após saída precoce do ninho, tendo sido encaminhada para o CERVAS pela RNPA, onde a recuperação consistiu em treino de voo e caça em contacto com outros mochos-galegos.


A devolução à Natureza decorreu num local próximo daquele onde o mocho tinha sido encontrado, na presença de 20 pessoas, junto a campos agrícolas na periferia da aldeia.

Devolução à Natureza de 6 andorinhões-pretos e 3 andorinhões-pálidos


Durante os meses de Julho e Agosto de 2012 foram devolvidos à Natureza 6 andorinhões-pretos (Apus apus) e 3 andorinhões-pálidos (Apus pallidus).


Estas aves tinham ingressado no CERVAS durante o Verão oriundas de diversas zonas da região centro e foram entregues pelos particulares que as encontraram e por equipas do SEPNA-GNR e áreas protegidas. O ingresso deveu-se maioritariamente a queda do ninho mas também a predação por gatos e a colisão.


A recuperação de andorinhões pode-se considerar simples, mas trabalhosa, por requerer refeições frequentes e maneio adequado. Ainda que com um muito reduzido número de ingressos, comparando com outros centros da Península Ibérica, o CERVAS tem conseguido acumular alguma experiência com estas aves e assim melhorar gradualmente as percentagens de libertação (84% em 2012, até ao momento), de ano para ano, fruto de melhorias ao nível dos protocolos de alimentação e maneio. 


Normalmente as aves são mantidas em caixas de pequena dimensão, em grupos de vários indivíduos e utilizam-se pequenos “ninhos”. A higiene do espaço onde se mantém as aves deve ser uma das prioridades, assim como a tranquilidade e silêncio, tanto durante o repouso, como, e principalmente, durante a manipulação para a alimentação.


A alimentação baseia-se em larvas de tenébrios, complementada com ração, e a frequência de refeições é de 4 a 5 vezes por dia, mas poderá ir diminuindo dependendo do estado de desenvolvimento dos animais e do respectivo ganho de peso.



Uma das mensagem que o CERVAS considera importante passar para a população é a de que a recuperação destas aves nos centros é mais fácil e de maior sucesso se as aves forem entregues de imediato por parte de quem as encontra, para que os técnicos dos centros consigam iniciar os protocolos correctos o mais cedo possível.


Na parte final da recuperação são realizados exercícios para estímulo de voo e musculação e a decisão final de quando libertar cada ave depende das biometrias, peso, desenvolvimento da plumagem e estado geral de cada indivíduo.


As devoluções à Natureza têm sido realizadas em Gouveia, maioritariamente no miradouro do Paixotão, envolvendo as pessoas que encontraram as aves, população local ou visitantes ocasionais.


Este local reúne condições óptimas, por se tratar de um local elevado, com vista para a zona urbana onde existem colónias numerosas de ambas as espécies de andorinhões o que, teoricamente, aumenta a probabilidade de integração dos indivíduos recuperados.



Para consultar mais informações sobre recuperação de andorinhões recomendamos os seguintes sítios na Internet:

http://www.falciotnegre.com/
http://www.apusapus.net/
http://www.asapus.org/
http://www.chimneyswifts.org/

Devolução à Natureza de um peneireiro-vulgar na praia fluvial de Loriga


No dia 21 de Agosto de 2012 às 15:30 foi devolvido à Natureza um peneireiro-vulgar (Falco tinnunculus) na praia fluvial de Loriga, Seia.



Este ave juvenil tinha sido recolhida por habitantes locais que a encontraram debilitada na via pública, tendo sido encaminhada para o CERVAS por uma equipa de protecção florestal do posto da GNR de Loriga.


Durante o curto período de recuperação, de cerca de 1 mês e meio, o peneireiro terminou o desenvolvimento da plumagem e realizou treinos de voo e caça em conjunto com outras aves da mesma espécie.


O local escolhido, a praia fluvial de Loriga, está próximo de onde a ave tinha sido encontrada e é frequentado por um grande número de pessoas nesta altura do ano, o que permitiu a realização de uma acção de sensibilização para a população.


As cerca de 200 pessoas presentes demonstraram um grande interesse e curiosidade em conhecer a história desta ave bem como outras informações relacionadas com a ecologia, identificação e conservação das aves de rapina.


O CERVAS agradece o acolhimento por parte dos responsáveis pela gestão da praia e toda a simpatia e entusiasmo da população, desde as pessoas que estiveram envolvidas na recolha e encaminhamento da ave até aos turistas que frequentavam o local e que foram surpreendidos com a acção.


Veja o vídeo aqui

Devolução à Natureza de 1 mocho-galego em Galisteu


No dia 19 de Agosto de 2012 às 19:15 foi devolvido à Natureza um mocho-galego (Athene noctua) em Galisteu (Vide-entre-vinhas, Celorico da Beira).


Esta acção foi integrada num evento de convívio da população local organizado pela Associação de Apoio Social e Desenvolvimento de Galisteu e Vide-entre-vinhas.


Após uma sessão de esclarecimento sobre a identificação, ecologia e conservação de aves de rapina nocturnas, cerca de 50 pessoas tiveram a oportunidade de presenciar a libertação de um jovem mocho-galego.


Esta ave tinha sido recolhida na berma de uma estrada e recolhida por um particular que a entregou no Parque Ecológico de Gouveia, que por sua vez a encaminhou para o CERVAS.


Após cerca de 2 meses e meio de recuperação, em contacto com outros mochos-galegos de diferentes idades, esta ave regressou à Natureza num local próximo de campos agrícolas e áreas florestais.


O CERVAS agradece o convite e interesse demonstrado pela Associação de Galisteu bem como a oportunidade de contacto com a população local.