Mensagens

A mostrar mensagens de Janeiro, 2010

Espécie do mês de Janeiro: Pintassilgo

Foto: Pintassilgo adulto no momento do ingresso no CERVAS, após apreensão pelo SEPNA/GNR.

O pintassilgo (
Carduelis carduelis) é uma ave granívora de pequenas dimensões, com um peso que ronda os 15 g. Os animais adultos apresentam uma plumagem característica, em que sobressai a face de cor vermelha, sendo o resto da cabeça branca e a nuca preta. As asas são também pretas e apresentam uma barra de cor amarela viva, que é particularmente visível quando a ave se encontra em voo. A cauda é bifurcada, de cor preta, com algumas manchas brancas. Os animais imaturos apresentam uma tonalidade mais discreta, em tons acastanhados, ainda que possuam as asas semelhantes aos adultos.

É uma ave bastante comum, ainda que possa ser observada com mais facilidade no sul do país e está presente durante todo o ano. Ocupa uma grande diversidade de habitats, desde parques e jardins urbanos até bosques pouco densos e zonas de orla de campos agrícolas, sobretudo de produção cerealífera.

Nidifica em árvores e a postura, que ocorre entre Abril e Maio, varia entre 4 e 6 ovos, de cor azul, com manchas pretas, sendo a incubação feita pela fêmea. Os ovos eclodem ao fim de 11 a 14 dias, e as crias são alimentadas pelos progenitores, sendo que a sua dieta consiste sobretudo em pequenos insectos.

Estes animais apresentam um canto melodioso, motivo pelo qual são capturados em elevado número, para venda ilegal. Alguns “criadores” produzem híbridos desta espécie com canários (Serinus canaria), que têm o nome comum de “travessos”.



Foto: Híbrido de Carduelis carduelis com Serinus canaria, no momento do ingresso no CERVAS, após apreensão pelo SEPNA/GNR. Apesar de poder ser confundido com um pintassilgo imaturo devido à coloração das asas, este animal apresenta um bico mais robusto e mais semelhante ao do canário.

Ainda que esta espécie apresente um estatuto de conservação “Pouco Preocupante”, a sua principal ameaça é, tal como já foi referido anteriormente, a captura e o cativeiro ilegal, motivo que leva ao ingresso de várias dezenas destes animais nos centros de recuperação de fauna selvagem.

Colocação de caixas-ninho para aves de rapina nocturnas em Gouveia

Figura 1 - Colocação de uma caixa ninho para Mocho-d'orelhas no Parque da Sra. dos Verdes, Cativelos.

No âmbito do Projecto BARN foi levado a cabo um censo de aves de rapina nocturnas no concelho de Gouveia, em habitats agrossilvopastoris, tendo sido o Mocho-galego (Athene noctua) a espécie mais detectada, seguido do Mocho-d’orelhas (Otus scops) e Coruja-do-mato (Strix aluco).

Figura 2 - Acção de sensibilização sobre a temática das caixas-ninho para aves de rapina nocturnas.

A Coruja-das-torres (Tyto alba) foi a espécie menos detectada, podendo isto estar relacionado com o progressivo abandono da agricultura tradicional, uma vez que esta espécie depende bastante deste tipo de habitat.

Figura 3 - Caixa-ninho para Coruja-das-torres no Convento de S. Fransco, S. Julião.

Para a detecção destas espécies contamos também com a colaboração das Juntas de Freguesia do concelho e de alguns habitantes, sem a contribuição dos quais este trabalho não seria possível.


Figura 4 - Colocação de uma caixa-ninho para mocho-d'orelhas no Parque da Sra. dos Verdes, Cativelos.

Outro dos objectivos do projecto BARN é potenciar a reprodução e fixação destas espécies. Para isso foram construídas caixas-ninho tendo sido estas colocadas em diversos pontos do concelho de Gouveia durante o mês de Janeiro de 2010.

Figura 5 - Colocação de uma caixa-ninho para mocho-d'orelhas no Parque da Sra. dos Verdes, Cativelos.

A
construção e colocação destas caixas-ninho contou com o apoio de diversas pessoas e entidades, quer na aquisição de material, quer através da permissão da colocação de caixas-ninho nas suas propriedades, quer pelo apoio à colocação, sendo de destacar o importante contributo do Sr. Fernando Figueiredo, sem o qual estas acções não seriam possíveis.


Figura 6 - Colocação de uma caixa-ninho para Mocho-d'orelhas na Quinta da Espinhosa, Vila Nova de Tázem, que contou com a colaboração dos Bombeiros Voluntários desta localidade.

A colocação destas caixas-ninho, juntamente com outras que foram já colocadas em 2009, irão permitir não só potenciar a reprodução destas espécies como também a realização de mais estudos com as mesmas.

Figura 7 - Caixa-ninho para Mocho-galego na Quinta da Caramuja, Vinhó/S. Julião.

Figura 8 - Caixa-ninho para Mocho-galego na Quinta das Casas Velhas, Melo.

Figura 9 - Caixa-ninho para Mocho-galego na Quinta dos Impedidos, Vinhó.

Saída de Campo: As Aves do Rio Mondego - Carregal do Sal


No dia 23 de Janeiro realizou-se uma saída de campo no concelho do Carregal do Sal, com vários percursos e paragens em locais próximos de linhas de água e florestas envolventes. O ponto de encontro foi a Câmara Municipal de Gouveia e daí se seguiu para o Carregal do Sal. O primeiro ponto de observação e escuta teve lugar na freguesia de Parada numa pequena mancha florestal junto da estrada. Da freguesia de Parada seguiu-se até Currelos sempre com o Rio Mondego em plano de fundo. Nesta zona fez-se mais um ponto de observação, mais concretamente na ponte que divide o distrito de Viseu e o distrito de Coimbra, sendo possível observar um dos grandes protagonistas do dia, o melro-azul. O percurso continuou sempre junto ao rio, em direcção a Vila Meã, zona que se revelou uma das mais interessantes e propícias para a observação de aves. Aqui foi possível observar vários guarda-rios e maçarico-das-rochas.


Durante esta saída de campo foi possível observar as seguintes 32 espécies de aves:
  • Phalacrocorax carbo (Corvo-marinho)
  • Ardea cinerea (Garça-real)
  • Alectoris rufa (Perdiz)
  • Actitis hypoleucos (Maçarico-das-rochas)
  • Columba livia (Pombo-das-rochas)
  • Alcedo atthis (Guarda-rios)
  • Picus viridis (Peto-real)
  • Lullula arborea (Cotovia-dos-bosques)
  • Ptyonoprogne rupestris (Andorinha-das-rochas)
  • Motacilla alba (Alvéola-branca)
  • Troglodytes troglodytes (Carriça)
  • Erithacus rubecula (Pisco-de-peito-ruivo)
  • Saxicola torquata (Cartaxo)
  • Monticola solitarius (Melro-azul)
  • Turdus merula (Melro)
  • Turdus philomelos (Tordo-pinto)
  • Sylvia melanocephala (Toutinegra-dos-valados)
  • Sylvia atricapilla (Toutinegra-de-barrete)
  • Parus ater (Chapim-carvoeiro)
  • Parus caeruleus (Chapim-azul)
  • Parus major (Chapim-real)
  • Certhia brachydactyla (Trepadeira)
  • Lanius meridionalis (Picanço-real)
  • Garrulus glandarius (Gaio)
  • Corvus corone (Gralha-preta)
  • Corvus corax (Corvo)
  • Sturnus unicolor (Estorninho-preto)
  • Passer domesticus (Pardal)
  • Fringilla coelebs (Tentilhão)
  • Serinus serinus (Milheirinha)
  • Carduelis carduelis (Pintassilgo)
  • Emberiza cia (Cia)


O CERVAS no Seminário Nacional Eco-Escolas

No passado dia 23 de Janeiro, o CERVAS, a convite da ABAE - Associação Bandeira Azul da Europa, dinamizou um workshop inserido no Seminário Nacional Eco-Escolas, realizado na Escola Superior de Saúde de Coimbra.


Este workshop contou com cerca de 40 participantes, na sua maioria professores, e teve como tema principal "O Contributo dos Centros de Recuperação de Fauna Selvagem para a Educação Ambiental".

Workshop Prático de Recuperação de Animais Silvestres, 10ª Edição


INSCRIÇÕES MUITO LIMITADAS!
MAIS INFORMAÇÕES AQUI!

Relatório de actividades de 2009


Relatório de actividades de 2009 disponível aqui.


O CERVAS no Facebook


No sentido de se dar a conhecer a um público mais vasto, o CERVAS passa a estar ligado aos utilizadores do serviço Facebook. A página irá disponibilizar informação sobre as actividades realizadas pelo CERVAS, fotografias e irá ter um espaço para discussão de temas relacionados com conservação e recuperação de fauna selvagem.
A página está disponível aqui.



Saídas de Campo: As Aves do Rio Mondego


O CERVAS e a Associação ALDEIA, em parceria com a Câmara Municipal de Gouveia e a DLCG - Desporto, Lazer e Cultura de Gouveia, Empresa Municipal, irão organizar uma série de saídas de campo para observação de avifauna dedicadas ao Rio Mondego.

Estas saídas consistem em percursos pedestres de baixa dificuldade com pontos de observação e escuta de aves e serão realizadas nos seguintes locais e datas:
  • 23 de Janeiro - Carregal do Sal;
  • 20 de Fevereiro - Nelas;
  • 20 de Março - Mangualde;
  • 17 de Abril - Fornos de Algodres;
  • 22 de Maio - Celorico da Beira;
  • 19 de Junho - Gouveia.
O ponto de encontro será, em qualquer dos casos, a Câmara Municipal de Gouveia, às 08:00.

Material recomendado:
  • Roupa e calçado confortável;
  • Binóculos e Guia de Campo;
  • Merenda e água.
Estas saídas são de participação gratuita e abertas a todos, devendo os participantes confirmar a sua presença para cervas.pnse@gmail.com ou 968 991 007 ou 962 714 492.

Saída de Campo: As Aves das Ribeiras de Celorico da Beira e Pinhel

No dia 9 de Janeiro realizou-se uma saída de campo nos concelhos de Celorico da Beira e Pinhel, com vários percursos e paragens em locais próximos de linhas de água e áreas agrícolas e florestais envolventes. O ponto de partida foi a Ponte da Lavandeira, sobre o Rio Mondego, na localidade de Fornotelheiro, em Celorico da Beira, e o percurso seguiu em direcção a Baraçal, Maçal do Chão, Vila Franca das Naves, Bouça Cova, sendo de destacar a albufeira desta localidade como óptimo ponto de observação de aves, nomeadamente aquáticas e limícolas. De seguida, seguindo por Trajinha, Alverca da Beira cruzou-se a interessante Ribeira de Massueime, e iniciou-se o ultimo troço de percurso através de Freixedas, Barregão, Manigoto e Carvalhal, até ao destino final que foi a Ribeira das Cabras, um local de grande beleza e de grande interesse para a observação de aves. Durante esta saída de campo foi possível observar as seguintes 43 espécies de aves:

  • Tachybaptus ruficollis (Mergulhão-pequeno)
  • Podiceps cristatus (Mergulhão-de-poupa)
  • Phalacrocorax carbo (Corvo-marinho-de-faces-brancas)
  • Ardea cinerea (Garça-real)
  • Ciconia ciconia (Cegonha-branca)
  • Anas platyrhynchus (Pato-real)
  • Elanus caeruleus (Peneireiro-cinzento)
  • Milvus milvus (Milhafre-real)
  • Buteo buteo (Águia-d’asa-redonda)
  • Vanellus vanellus (Abibe)
  • Tringa ochropus (Maçarico-bique-bique)
  • Actitis hypoleucos (Maçarico-das-rochas)
  • Larus ridibundus (Guincho)
  • Columba palumbus (Pombo-torcaz)
  • Tyto alba (Coruja-das-torres)
  • Upupa epops (Poupa)
  • Galerida cristata (Cotovia-de-poupa)
  • Lullula arborea (Cotovia-dos-bosques)
  • Anthus pratensis (Petinha-dos-prados)
  • Motacilla alba (Alvéola-branca)
  • Erithacus rubecula (Pisco-de-peito-ruivo)
  • Phoenicurus ochruros (Rabirruivo)
  • Saxicola torquata (Cartaxo)
  • Turdus merula (Melro)
  • Turdus philomelos (Tordo-pinto)
  • Sylvia atricapilla (Toutinegra-de-barrete-preto)
  • Phylloscopus collybita (Felosinha)
  • Aegithalos caudatus (Chapim-rabilongo)
  • Parus caeruleus (Chapim-azul)
  • Parus major (Chapim-real)
  • Certhia brachydactyla (Trepadeira)
  • Lanius meridionalis (Picanço-real)
  • Cyanopica cyana (Pega-azul)
  • Corvus corone (Gralha-preta)
  • Corvus corax (Corvo)
  • Sturnus unicolor (Estorninho-preto)
  • Passer domesticus (Pardal)
  • Fringilla coelebs (Tentilhão)
  • Serinus serinus (Milheira)
  • Carduelis chloris (Verdilhão)
  • Carduelis spinus (Lugre)
  • Carduelis cannabina (Pintarroxo)
  • Emberiza cia (Cia)

Saída de Campo: As Aves da Neve

No passado dia 2 de Janeiro de 2010 realizou-se uma saída de campo na Serra da Estrela, mais concretamente no vale do Rossim e no vale do Zêzere. Esta acção contou com 7 participantes.

Foram observadas as seguintes espécies, num total de 18:
Perdiz Alectoris rufa
Andorinha-das-rochas Ptynoprogne rupestris
Petinha-dos-prados Anthus pratensis
Alvéola-branca Motacilla alba
Melro-d'água Cinclus cinclus
Pisco-de-peito-ruivo Erithacus rubecula
Rabirruivo Phoenicurus ochruros
Melro-de-colar Turdus torquatus
Toutinegra-de-barrete Sylvia atricapilla
Estrelinha-real Regulus ignicapilla
Chapim-de-poupa Parus cristatus
Chapim-carvoeiro Parus ater
Chapim-azul Parus caeruleus
Chapim-real Parus major
Trepadeira Certhia brachydactyla
Gralha-preta Corvus corone
Tentilhão Fringilla coelebs
Dom-fafe Pyrrhula pyrrhula