Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2010

Espécie do mês de Julho: Britango


O britango (Neophron percnopterus) é uma ave que não se confunde com nenhuma outra. É uma espécie nidificante estival em que os individuos adultos podem atingir os 58-70cm apresentando as penas do corpo brancas, com aparência mais ou menos suja à excepção das asas, que são pretas; a cabeça e a garganta não têm penas e apresentam uma cor amarela. Possuem um colar com todas as penas brancas e as patas em tons rosados. Os juvenis apresentam cor castanho-escura uniforme. Não existem diferenças entre os sexos, tanto nos animais adultos, como no juvenis.


Está distribuído por toda a região paleártica e fora dela cria em África, a norte do equador, na Península Arábica, no sudoeste asiático e Ásia meridional. Em Portugal distribui-se pela franja fronteiriça Centro e Nordeste. Possui hábitos alimentares necrófagos, procurando alimento em qualquer tipo de terreno e em muitas zonas da sua área de distribuição tornou-se um necrófago indiferente ao Homem, frequentando aterros, portos e mesmo povoações,sendo a sua dieta determinada pela disponibilidade alimentar.


Os individuos podem ter um comportamento solitário ou gregário, podendo ocorrer em grandes grupos com tendência para formar dormitórios comuns de preferência em escarpas. Para a reprodução escolhe penhascos e escarpas para nidificar, procurando cavidades que permitam controlar uma extensa área e normalmente existe uma reutilização do ninho. É uma espécie que atinge a maturidade sexual aos 4-5 anos, sendo a época de nidificação entre Março e Agosto. Durante a reprodução é uma espécie solitária e monogâmica com crias nidícolas que permanecem no ninho 70-90 dias. Realiza uma postura entre 1 a 3 ovos em finais Março, início de Abril, ainda que os casos mais frequentes sejam de 2 ovos e a incubação destes é de aproximadamente 42 dias.As maiores ameaças a esta espécie são a utilização de iscos envenenados, a redução de disponibilidade alimentar, a modernização agrícola, perseguição e perturbação humana, instalação de parques eólicos, diminuição do aproveitamento pecuário extensivo, colisão e electrocussão, degradação do habitat e rarefacção das populações de coelho-bravo.


De acordo com o Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade, no Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal, esta espécie apresenta um estatuto de conservação "EN" (em perigo).

Libertação: 29 de Julho de 2010

29 de Julho de 2010
Libertação de uma coruja-das-torres (Tyto alba)

20h30 - Quinta do Crestelo, S. Romão, Seia


Esta ave foi recolhida por um técnico do CERVAS, em S. Romão, Seia, após ter sido encontrada por um particular caída do ninho. O seu processo de recuperação, tal como sucede com as aves juvenis desta espécie, consistiu na alimentação de modo a permitir um normal desenvolvimento corporal e da plumagem. Posteriormente foi colocada em contacto com animais adultos da mesma espécie, de modo a que adquirisse comportamentos típicos, bem como submetida a treinos de voo e de caça, para que ficasse preparada para voltar á natureza.


A sua devolução à natureza decorreu ontem, dia 29 de Julho de 2010, na Quinta do Crestelo em S. Romão (Seia) e estiveram presentes cerca de 70 pessoas desde representantes da Junta de Freguesia local, proprietário e funcionários da Quinta do Crestelo, instrutores e jovens que se encontravam no campo de férias da Quinta, entre outros turistas e populares de S. Romão. Esta ave foi baptizada de "Crestelo".





Libertação: 28 de Julho de 2010

28 de Julho de 2010
Libertação de uma coruja-das-torres (Tyto alba)
20h00 - S. Paio, Gouveia


Após ter sido encontrada ainda cria por um particular, caída do ninho, esta ave foi encaminhada até ao CERVAS, tendo ingressado no início do mês de Maio. O seu processo de recuperação passou por alimentação adequada de forma a levar um normal desenvolvimento físico e da plumagem, sendo também submetida a treinos de voo e caça. Foi ainda colocada em contacto com aves da mesma espécie, de forma a adquirir comportamentos típicos da espécie.


Ontem, Dia Nacional da Conservação da Natureza, foi devolvida à natureza no alto da Sra. da Estrela em S. Paio, onde estiveram presentes cerca de 20 pessoas, entre representantes da Junta de Freguesia, Associação de Caça e Pesca local, Club Desportivo "Os Serranos", entre outros populares de S. Paio. A ave foi apadrinhada por uma das pessoas presentes, tendo sido baptizada de "Estrela da Liberdade".

Libertações: 27 de Julho de 2010

27 de Julho de 2010
Libertação de um milhafre-preto (Milvus migrans)
15:30 - Currelos, Carregal do Sal

Esta ave chegou ao CERVAS por intermédio da equipa do SEPNA da GNR de Santa Comba, após o mesmo ter sido apreendido a um particular que o mantinha numa situação de cativeiro ilegal. Na altura do seu ingresso verificou-se que a ave apresentava a plumagem muito danificada, com diversas penas partidas e com sinais de stress associados ao cativeiro. O seu processo de recuperação envolveu o contacto com animais selvagens da mesma espécie, de modo a que se pudessem reverter os sinais de domesticação, e, numa fase final, a ave foi submetida a treinos de voo e de caça.


Na sua devolução à natureza estiveram presentes 15 pessoas, entre os quais representantes da Junta de Freguesia de Currelos, membros da equipa do SEPNA da GNR de Santa Comba Dão, representantes das associações de caçadores do concelho de Carregal do Sal e alguns populares, que baptizaram ave com o nome de "Rui".



Libertação de uma águia-de-asa-redonda (Buteo buteo)

18:00 - Foz de Arouce, Lousã

Esta ave foi vitima de um disparo ilegal, após o qual foi encontrada por populares, tendo sido recolhida e entregue à equipa do SEPNA da GNR da Lousã, que por sua vez a encaminharam para a Reserna Natural do Paúl de Arzila. A partir daí, a ave foi transportada até ao CERVAS, onde iniciou o seu processo de recuperação. Na altura do seu ingresso apresentava uma fractura na asa, resultado do disparo, e encontrava-se bastante debilitada. A numa fase inicial, a recuperação consistiu no tratamento da lesão e na alimentação, de modo a que pudesse recuperar fisicamente. Numa fase final, a ave foi submetida a treinos de voo e de caça, tendo sido sempre mantida em contacto com animais da mesma espécie.


Na sua devolução à natureza estiveram presentes cerca de 30 pessoas, entre os quais representantes da Junta de Freguesia de Foz de Arouce, de diversas instituições do concelho da Lousã e de vários populares que baptizaram a ave com o nome "Arouce".


Libertação de uma coruja-das-torres (Tyto alba)
20:30 - Aeródromo de Vilarinho, Lousã

Esta coruja-das-torres ingressou no CERVAS no inicio do mês de Junho, após ter sido encontrada caida do ninho por um particular que a recolheu e entregou à Equipa do SEPNA da GNR da Lousã. Posteriormente, a ave foi encaminhada para o CERVAS, onde se iniciou o processo de recuperação. Sendo um animal bastante jovem, o seu processo de recuperação consistiu em alimentação, de modo a permitir um desenvolvimento corporal e também da plumagem. Para além disso, realizou treinos de voo e caça e esteve em contacto com aves da mesma espécie para que desenvolvesse comportamentos típicos da espécie.


Na sua devolução à natureza estiveram presentes 25 pessoas, entre os quais representantes da Junta de Freguesia de Vilarinhos, da Escola Nacional de Bombeiros, de diversas instituições do concelho da Lousã e de vários populares. A ave foi apadrinhada por dois dos presentes, que a baptizaram com o nome de "Vale".

Workshop: Construção de Caixas-ninho e Comedouros

No passado fim-de-semana (23 a 25 de Julho de 2010) teve lugar em Gouveia o workshop de Construção de Caixas-ninho e Comedouros organizado pelo Projecto BARN do CERVAS/ALDEIA em conjunto com o Parque Ecológico de Gouveia (D.L.C.G./C. M. de Gouveia). Esta actividade tinha como objectivo ensinar e encorajar os participantes a construir e colocar caixas-ninho e comedouros nos seus jardins de forma a promover a biodiversidade não só das nossas áreas rurais, como também das cidades. O workshop contou com a presença de 9 participantes, tendo tido a orientação dos formadores Samuel Duarte, André Aguiar e Lúcia Lopes.

Agradecemos uma vez mais os apoios da Delta Cafés, Águas Serra da Estrela, Companhia das Abóboras e S. C. de Vinhó para a realização desta actividade.









Campanha de Apadrinhamento Verão '10

Campanha de Apadrinhamento de Animais Selvagens em recuperação no CERVAS e de Caixas-ninho

Com o início do Verão os centros de recuperação de fauna selvagem registam um aumento muito significativo no número ingressos de animais silvestres com necessidades de tratamento, tendo em vista a sua devolução à natureza.

Os casos de crias que chegam a este centro constituem uma grande percentagem destes novos, sendo a sua recuperação um processo demorado e complexo. Para além disso, a recuperação destes animais envolve quase sempre a necessidade de cuidados muito frequentes e não são raros os casos em que, devido às necessidades próprias de cada espécie, é necessário um tipo de alimentação específico que tornam este processo altamente dispendioso.

Também no sentido de prestar um cuidado mais eficaz aos animais em recuperação, foram construídas 4 novas jaulas no CERVAS, sendo uma delas especifica para mamíferos e as restantes 3 para passeriformes, no sentido de aumentar a capacidade de resposta deste centro, sobretudo nos casos de cativeiro ilegal de aves de pequena dimensão.

O apadrinhamento de animais selvagens em recuperação no CERVAS consiste numa contribuição simbólica única e com a qual estará a contribuir de forma decisiva na melhoria das condições dos animais em recuperação neste centro.

Ao apadrinhar um animal terá a possibilidade de assistir à sua devolução à Natureza (se tal for possível no final do processo de recuperação) e receberá um certificado de apadrinhamento. Poderá também solicitar informações e fotos do animal apadrinhado. O seu contacto será inserido na lista de divulgação do CERVAS para que possa receber informações sobre as próximas actividades em que poderá participar, tornando-se, desta forma, um membro activo na dinamização da recuperação de animais selvagens em Portugal.

Espécies de animais em recuperação no CERVAS:

a) Com uma contribuição mínima de 15€
Coruja-do-mato (Strix aluco); Coruja-das-torres (Tyto alba); Mocho-galego (Athene noctua); Mocho-de-orelhas (Otus scops); Milhafre-preto (Milvus migrans); Águia-de-asa-redonda (Buteo buteo); Águia-calçada (Aquila pennata); Águia-cobreira (Circaetus gallicus); Açor (Accipiter gentilis); Gavião (Accipiter nisus); Peneireiro-vulgar (Falco tinnunculus); Cegonha-branca (Ciconia ciconia)

b) Com uma contribuição mínima de 25€
Bufo-real (Bubo bubo); Garça-vermelha (Ardea purpurea), Grifo (Gyps fulvus)


Em alternativa ao apadrinhamento de um animal selvagem em recuperação, poderá também optar por apadrinhar uma caixa-ninho!

No âmbito do Projecto BARN do CERVAS foram já colocadas algumas caixas-ninho de mocho-d’orelhas (Otus scops), mocho-galego (Athene noctua) ou coruja-das-torres (Tyto alba), as quais poderá também apadrinhar. A colocação de caixas-ninho para as aves de rapina nocturnas irá potenciar a reprodução e fixação destas espécies, uma vez que estas não constroem ninhos, mas sim ocupam cavidades de árvores e de construções humanas (torres de igrejas, celeiros, casas abandonadas, etc.), que são cada vez mais raros devido à pressão humana.

Ao ser padrinho/madrinha de uma caixa-ninho estará a apoiar não só a conservação destas espécies como todo o processo de acompanhamento e manutenção das caixas já colocadas e ainda a construção e colocação de novas caixas-ninho. Poderá apadrinhar caixas-ninho de mocho-d’orelhas, mocho-galego ou coruja-das-torres, sendo que para além de um certificado, receberá informações sobre a caixa-ninho (ocupação, postura, nascimento das crias, etc), fotos da caixa, do local envolvente e, se possível, dos indivíduos que estão a ocupar. O apadrinhamento de uma caixa-ninho (independentemente da espécie) tem um custo de 20€.

Nota: os valores indicados referem-se a apadrinhamento individual/particular. Caso pretenda ceder apoios através de uma instituição / empresa, os valores mínimos serão de 250€ para qualquer espécie indicada anteriormente (podendo ser deduzidos no IRS ao abrigo da lei do mecenato ambiental).

Para descarregar a ficha de apadrinhamento clique aqui.


Consulte aqui o relatório de actividades do CERVAS no ano 2009.

Conheça os outros projectos da ALDEIA!


Contactos CERVAS

E-mail:http://www.blogger.com/cervas-pnse@gmail.com
Tel: 962714492 (CERVAS)/ 238492411 (PNSE Gouveia)

Modos de pagamento:


- CHEQUE: Em nome de Associação ALDEIA enviado juntamente com a ficha de inscrição para:
CERVAS – Centro de Ecologia, Recuperação e Vigilância de Animais Selvagens

Apartado 126
6290-909 Gouveia

- TRANSFERÊNCIA*: NIB: 003503540003190733089 (Caixa Geral de Depósitos de Gouveia)

* Enviar comprovativo de transferência por correio para a morada acima indicada ou por correio electrónico para cervas.pnse@gmail.com

Educação Ambiental: Construção de caixas-ninho

No passado dia 22 de Julho, o CERVAS realizou uma acção de educação ambiental em Vila Nova de Tázem, no concelho de Gouveia que decorreu na escola-sede do Agrupamento de Escolas, no âmbito de um programa de ocupação de tempos livres das crianças do concelho . O principal objectivo desta acção foi a sensibilização das crianças para a conservação da fauna selvagem e a construção de caixas-ninho para passeriformes.


O CERVAS agradece ao Agrupamento de Escolas de Vila Nova de Tázem pelo convite e pela colaboração prestada no decorrer da acção.

Libertações: III Semana da Coruja-do-mato


Entre 12 e 16 de Julho, o CERVAS realizou a III Semana da Coruja-do-mato (Strix aluco). As actividades desta semana temática decorreram em várias localidades, tendo como principais objectivos a devolução à Natureza de várias aves desta espécie, recuperadas no CERVAS, e a realização de palestras e oficinas de educação ambiental, com o objectivo de sensibilizar as populações para a importância destes animais e para o trabalho realizado pelos centros de recuperação de fauna selvagem.

12 de Julho de 2010, Segunda-feira

20:30 Libertação de duas corujas-do-mato

Cavadoude, Guarda

Estas aves foram encontradas por um particular, após terem caído do ninho e foram entregues a um membro da equipa do SEPNA/GNR de Gouveia, que as transportou e entregou aos cuidados do CERVAS. O processo de recuperação destas aves centrou-se no seu contacto com animais adultos da mesma espécie, de modo a que pudessem aprender não só a caçar, mas também os comportamentos típicos da espécie. Terminado o seu processo de recuperação foram devolvidas à Natureza no seu local de origem, na presença de representantes da Junta de Freguesia e da Associação de Caçadores de Cavadoude, que baptizaram as duas corujas de "Cava" e "Doude".



14 de Julho de 2010, Quarta-feira
Libertação de uma coruja-do-mato
20:30 Quinta da Caramuja, Moimenta da Serra, Gouveia

Esta ave tinha sido encontrada no final de Abril, por particulares, perto do local onde foi libertada num terreno agrícola, tendo provavelmente saído do ninho antes de conseguir voar, tendo, consequentemente, caído do mesmo. Depois de ter sido recolhida por um técnico do CERVAS, o processo de recuperação desta ave envolveu a alimentação para que adquirisse o peso ideal e houvesse um normal desenvolvimento da plumagem. Para além disso, realizou treinos de voo e caça e esteve em contacto com aves da mesma espécie para que desenvolvesse comportamentos típicos da espécie.

Esta coruja-do-mato foi baptizada de "Becas" e durante a devolução à natureza estiveram presentes cerca de 30 pessoas, entre populares de S. Julião e Moimenta da Serra e funcionários e crianças que frequentam o ATL da Fundação “A Nossa Casa”. Estas crianças participaram também durante a tarde numa oficina de educação ambiental que decorreu nas instalações da Fundação em S. Julião, Gouveia.



15 de Julho de 2010, Quinta-feira
Libertação de duas corujas-do-mato
20:30 Cemitério de Carragozela, Carragozela, Seia


Estas duas aves foram encontradas no mesmo local por um particular que as recolheu perto do local de libertação, num carvalhal na freguesia de Carragozela, Seia, tendo sido encaminhadas pelo SEPNA de Gouveia até ao CERVAS. O processo de recuperação para estas aves envolveu a alimentação para que os animais adquirissem o peso ideal e houvesse um normal desenvolvimento da plumagem. Foram também colocadas em contacto com animais da mesma espécie para que pudessem adquirir comportamentos típicos da espécie e ainda treinos de voo e de caça.


Na devolução à natureza destas duas aves estiveram presentes cerca de 40 pessoas, entre representantes da Junta de Freguesia e da C. M. de Seia, B. V. de São Romão e populares de Carragozela. As libertações foram realizadas pelos respectivos padrinhos das aves, tendo sido baptizadas de "Luna" e "Predador".




15 de Julho de 2010, Quinta-feira
Libertação de uma coruja-do-mato

20:30 Poço dos Caneiros, Vide, Seia


Esta ave foi recolhida na freguesia de Vide, Seia, por um particular que a enconcontrou após esta ter caído do ninho. Foi entregue na delegação do Parque Natural da Serra da Estrela em Seia, tendo sido posteriormente encaminhada para o CERVAS. O seu processo de recuperação consistiu no contacto com animais da mesma espécie e em treinos de voo e de caça.
Na sua devolução à Natureza estiveram presentes cerca de 15 pessoas, inlcuindo representantes da Junta de Freguesia e de associações da freguesia de Vide, bem como alguns populares, tendo a ave sido apadrinhada por alguns dos presentes que a baptizaram com o nome de "Abel".

Alinhar ao centro

16 de Julho de 2010, Sexta-feira
Libertação de uma coruja-do-mato

20:30 Quinta do Carmo, Castelo Viegas, Coimbra


Esta ave foi encontrada na Quinta do Carmo, Coimbra, por formandos do Centro de Emprego e Formação Profissional, após a mesma ter caído do ninho. Posteriormente foi entregue aos funcionários da Reserva Natural do Paúl de Arzila que a encaminharam para o CERVAS. O seu processo de recuperação, tal como sucede com todos os animais recolhidos enquanto crias, consistiu no contacto com animais adultos da mesma espécie, com os quais aprendeu a caçar e desenvolveu os comportamentos típicos.


A sua devolução à Natureza ocorreu no seu local de origem, tendo sido presenciada por cerca de 20 pessoas, entre os quais se encontravam representantes da Câmara Municipal de Coimbra, da Junta de Freguesia de Castelo Viegas, da Escola Universitária Vasco da Gama, do Corpo Nacional de Escutas e de outras associações locais, bem como de alguns populares. A ave foi baptizada pelos presentes com o nome de "Carmo".

DELTA CAFÉS apoia o Projecto BARN do CERVAS

O Projecto BARN do CERVAS agradece o apoio da Delta Cafés, através da oferta de uma máquina de café Delta Q. Esta colaboração irá apoiar a realização de cursos e workshops organizados não só no âmbito do Projecto BARN, como outras actividades organizadas pelo CERVAS.

Muito obrigado pela vossa disponibilidade!

Saída de Campo: Ecossistemas de Montanha

No passado dia 11 de Julho, efectuou-se mais uma saída de campo organizada pelo CERVAS e pela DLCG-EM. Esta saída de campo teve como principal objectivo a visita aos diferentes ecossistemas de montanha da Serra da Estrela, na qual participaram 9 pessoas.

A saída teve início a cerca de 800 metros de altitude, na Mata do Desterro, onde se visitou o primeiro ecossistema de montanha, o Rio Alva. Neste ponto, foi feita uma pequena introdução ao que iria ser considerado “Ecossistema de Montanha”, adaptado à realidade da Serra da Estrela. Foi também possível observar alguma fauna associada a este tipo de habitat, entre os quais alguns macro-invertebrados aquáticos e terrestres, alguns anfíbios e algumas aves tipicamente ripícolas.

Foto 1: A Mata do Desterro

Seguiu-se depois para o Cocharil, uma pequena mancha de Pinheiro-bravo, a cerca de 1300 metros de altitude, onde foi possível fazer uma abordagem sobre as matas e bosques mais ou menos características não só da Serra da Estrela, como também do País. Abordou-se ainda toda a problemática da gestão dos pequenos bosques e matas, e o impacto que esta gestão tem nas cadeias tróficas que deles dependem.

Foto 2: A Lagoa Comprida

Já com a Lagoa Comprida em vista, a cerca de 1500 metros de altitude, e com a hora de almoço a aproximar-se, aproveitou-se para almoçar num Cervunal perto da Lagoa. Daqui efectuou-se uma pequeno percurso pedestre na zona da Malhada do cabo da Estercada, onde se teve a oportunidade de visitar e observar duas lagoas temporárias, entre as quais a Lagoa das Favas, cujo nome está directamente relacionado com o tipo de vegetação presente.

Foto 3: O grupo na visita ao Cervunal

Foto 4: A Lagoa das Favas

Seguiu-se depois para o último e mais interessante ponto de observação, o Cântaro Magro, uma imponente massa rochosa com cerca de 500 metros de altura, a qual se conseguiu subir pelos trilhos previamente marcados. Já no topo do Cântaro foi possível observar alguma da herpetofauna, flora e avifauna características deste tipo de habitat rupicola.

Foto 5: Vista a partir do Cântaro Magro, com a barragem do Covão do Ferro ao fundo.

Educação Ambiental - Balanço do 1º Semestre de 2010

Terminado o mês de Junho e o primeiro semestre de actividade do CERVAS no ano de 2010, é altura de realizar um balanço. Nestes primeiros 6 meses, deram entrada no CERVAS 171 animais, sendo 120 deles vivos e os restantes 51 já se encontravam cadáveres na altura do seu ingresso.

Até ao dia 30 de Junho, já se procedeu à libertação de 40 animais recuperados, sendo que 4 destes eram ingressos anteriores a 1 de Janeiro de 2010. Na libertação destes animais estiveram presentes cerca de 1000 pessoas, na sua maioria crianças de diversas escolas, mas também de várias instituições que desenvolvem a sua actividade nos locais onde decorreram as devoluções à Natureza dos animais recuperados.

Foto 1: Libertação de uma cegonha-branca (Ciconia ciconia), na Mata Nacional do Choupal, Coimbra

Durante este semestre, os técnicos do CERVAS realizaram 17 acções de educação ambiental para um público de 1400 pessoas. Ainda que a maioria dos presentes nestes eventos tenham sido crianças em idade escolar, o CERVAS realizou também acções específicas para públicos mais específicos, como a participação no Seminário Nacional Eco-Escolas. O CERVAS agradece a todos os parceiros envolvidos nestas acções:
  • Associação Bandeira Azul da Europa
  • Escola Básica de Midões
  • Agrupamento de Escolas de Gouveia
  • Agrupamento de Escolas de Tondela
  • Escola D. João de Deus, nº 2 (Coimbra)
  • Escola Secundária de Estarreja
  • Instituto de Gouveia
  • Agrupamento de Escolas de Celorico da Beira
  • Escola Básica de Pereira, Montemor-o-Velho
  • Câmara Municipal de Gouveia
  • Câmara Municipal de Celorico da Beira

Foto 2: Construção de caixas-ninho para passeriformes, durante a comemoração do Dia da Árvore

Outra vertente explorada pelo CERVAS no âmbito da educação ambiental prende-se com a visita guiada por técnicos às diferentes áreas do centro. Até ao dia 30 de Junho, o CERVAS foi visitado por mais de 450 pessoas, em 19 visitas, cuja maioria foi realizada por crianças em idade escolar, das seguintes escolas:
  • Escola Secundária José Loureiro Botas, Vieira de Leiria
  • Instituto de Gouveia
  • Jardim de Infância de Vinhó
  • Escola Básica de Vila Nova de Tázem
  • Escola Básica de Trancoso
  • Escola Básica do 2º Ciclo de Nelas
  • Escola Básica de Santa Comba Dão
  • Escola Secundária de Gouveia

Para além destes, uma percentagem significativa das visitas foram realizadas no âmbito de actividades organizadas pela Associação ALDEIA, designadamente, a 9ª e 10ª edições do Workshop Prático de Recuperação de Animais Silvestres e o Curso de Iniciação à Ilustração Científica a Preto e Branco, que no total, contaram com a participação de 96 pessoas. Adicionalmente, realizaram-se também visitas com grupos de entidades camarárias, de estudantes da Universidade de Aveiro e de outros particulares.

Foto 3: Visita ao CERVAS

Uma das iniciativas levadas a cabo nas instalações do centro foi a construção de uma charca para potenciar a ocorrência natural de anfíbios, sendo também utilizada para educação ambiental, para além da elaboração de material pedagógico relacionado com a ecologia e conservação destas espécies.

Foto 4: Observação de Anfíbios durante uma visita ao CERVAS

III Semana da Coruja-do-mato: 12 a 16 de Julho de 2010


Após a realização de duas edições anteriores da Semana da Coruja-do-mato (Strix aluco), decorridas em Dezembro de 2008 e Novembro de 2009, o CERVAS vem por este meio dar a conhecer a realização da III edição desta semana temática.

Esta semana temática, a realizar em várias localidades, tem como principais actividades a devolução à Natureza de várias aves desta espécie, recuperadas no CERVAS, e a realização de palestras e oficinas de educação ambiental, com o objectivo de sensibilizar as populações para a importância destes animais e para o trabalho realizado pelos centros de recuperação de fauna selvagem. As oficinas e palestras de educação ambiental, consistem em breves apresentações sobre as rapinas nocturnas em geral e a coruja-do-mato em particular (com imagens, sons e vídeos) e a exposição e realização de pequenos jogos com material biológico (penas, ossos, regurgitações, etc.). Serão também apresentados os trabalhos desenvolvidos no CERVAS.


Um dos dos projectos em desenvolvimento pelo CERVAS é o BARN — Conservação e Estudo da Distribuição e Ecologia de Aves de Rapina Nocturnas, que está a ser desenvolvido numa primeira fase no concelho de Gouveia e que tem como objectivos principais identificar e monitorizar os locais de presença e nidificação de aves de rapina nocturnas, bem como potenciar a reprodução e fixação destas espécies através da colocação de caixas-ninho. A coruja-do-mato foi a segunda espécie menos detectada no concelho de Gouveia durante o trabalho realizado em 2008/2009, aparentando mesmo estar ausente no norte e nordeste do concelho. Esta aparente ausência poderá dever-se à escassez de manchas florestais mais extensas, habitat tão importante para esta espécie.

As acções de devolução à Natureza a decorrer na III Semana da coruja-do-mato serão as seguintes:

Dia 12 de Julho - Segunda-feira - Cavadoude, Guarda
20:30 - Libertação de duas corujas-do-mato

Ponto de encontro: Igreja de Cavadoude


Dia 14 de Julho - Quarta-feira - Moimenta da Serra, Gouveia

20:30 - Libertação de uma coruja-do-mato

Ponto de encontro: Quinta da Caramuja, Gouveia


Dia 15 de Julho - Quinta-feira - Carragozela e Vide, Seia

20:30 - Libertação de duas corujas-do-mato

Ponto de encontro: Cemitério de Carragozela


20:30 - Libertação de uma coruja-do-mato

Ponto de encontro: Poço dos Caneiros, Vide


Dia 16 de Julho - Sexta-feira - Castelo Viegas, Coimbra

20:30 - Libertação de uma coruja-do-mato

Ponto de encontro: Quinta do Carmo, Coimbra