segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Espécie do mês de Julho: Tartaranhão-caçador ou Águia-caçadeira

Fêmea juvenil de tartaranhão-caçador (Circus pygargus) numa jaula de recuperação exterior

O tartaranhão-caçador (Circus pygargus), também conhecido como águia-caçadeira, é uma ave rapina diurna pertencente à família Accipitridae. Atinge 41 a 47 cm de comprimento e 100 a 116 cm de envergadura. O macho pesa entre 225 a 300 g, tem plumagem cinzenta azulada, asas muito compridas e estreitas, corpo esguio e cauda comprida e estreita de coloração negra. Pode ser facilmente confundido com o seu congénere tartaranhão-azulado, do qual se distingue por uma característica barra transversal preta nas asas e por um abdómen castanho, no caso dos machos. As fêmeas e os juvenis apresentam uma plumagem de tons castanhos arruivados, podendo as fêmeas atingir um peso entre 300 a 450 g. A fêmea adulta tem uma barra escura nas supra-alares, discernível à distância. Esta ave pode atingir uma longevidade de 16 anos.



Fêmeas juvenis de tartaranhão-caçador (Circus pygargus) numa jaula de internamento


Alimenta-se de aves, pequenos mamíferos, lagartos e insectos, caçando a 2 ou 3 metros do solo contornando o relevo do terreno.

Pode ser observada em voo leve, elegante e pausado, rente ao solo nas planícies e planaltos. Executa voos malabaristas nas suas elaboradas paradas nupciais em voo, sendo considerado um virtuoso acrobata, justificando plenamente o nome que Lineu lhe atribuiu, Circus. Habitualmente é silenciosa, sendo que o chamamento nupcial é um pio rápido e repetido de tonalidade aguda.

Reproduz-se em planícies descampadas, pântanos de terras baixas, searas, terrenos baldios entre campos de cultivo e urzais. Em zonas de estuário e em dunas costeiras poderá nidificar em sapais e em vegetação dunar, respectivamente.
Os seus ninhos, de 20 a 40 cm de diâmetro, são construídos no chão, muitas vezes no meio das searas. A postura consiste em 3 a 5 ovos, incubados pela fêmea durante 4 semanas. Os juvenis são capazes de voar ao fim de 35 dias.


Cria de tartaranhão-caçador (Circus pygargus)


A águia-caçadeira reproduz-se na Eurásia e norte de África, desde a Península Ibérica e Marrocos até cerca do paralelo 60, no sul da Sibéria e Ásia norte-central. Sendo nidificante estival, está presente no nosso país a partir de meados de Março até Setembro, migrando para a África subsariana, (principalmente Sudão, Etiópia e África do Leste e sub-continente indiano). Em Portugal ocorre em grande parte do território nacional, de norte a sul, em particular na metade este do país, acompanhando a distribuição dos terrenos abertos com searas nas planícies do Alentejo e os planaltos serranos do centro-leste e norte. Está praticamente ausente de grande parte do oeste do país e do Algarve.

Considerada pelo ICNB como uma espécie "em perigo", de entre os factores que mais ameaçam esta espécie contam-se o abandono e declínio rápido da cerealicultura extensiva; a elevada mortalidade de ovos e crias, provocada pela maquinaria agrícola durante a ceifa e por predadores naturais (raposa, corvídeos, entre outros). Estes factores tendem a baixar consideravelmente a produtividade das populações que nidificam em terras de cereais praganosos.

Sem comentários: