quarta-feira, 16 de abril de 2014

Espécie do mês de Maio: Bufo-pequeno


O bufo-pequeno (Asio otus) conhecido igualmente por toupeirão, ou simplesmente mocho, é uma espécie de ave de rapina nocturna relativamente discreta, sendo por isso mal conhecida entre nós.

O bufo-pequeno tem “orelhas” como o bufo-real mas é bem mais pequeno e delgado, e possui olhos cor-de-laranja e disco facial castanho-arruivado.


Através de observações desta espécie na época de nidificação, pressupõe-se que deverá ter uma distribuição alargada, abrangendo a maior parte das regiões de Portugal Continental, ocorrendo, no entanto, em densidades muito baixas. Na Estremadura é possível que seja mais numeroso do que no resto do país.


Apesar de não existirem dados que o comprovem, é provável que a população nidificante seja essencialmente sedentária, no entanto durante a época fria sabe-se que chegam ao nosso país indivíduos migradores, muitos derivados de movimentos dispersantes de indivíduos nacionais.

O bufo-pequeno prefere sempre orlas de bosques ou bosquetes com acesso a terrenos de caça abertos nas proximidades. Durante a época reprodutora encontra-se em zonas com pinhais, montados de sobro e azinho e carvalhais. Noutras épocas do ano, os bufos pequenos podem ser vistos em áreas abertas, amplas e desprovidas de árvores, nomeadamente em lezírias com pastagens e campos agrícolas, incluindo arrozais, podendo mesmo nidificar em zonas com muito poucas árvores.


Os ninhos de bufo-pequeno são frequentemente instalados em sobreiros, azinheiras e pinheiros-mansos, embora a utilização de ninhos de outras aves também é conhecida. Não se sabe muito acerca do período de canto mais intenso desta espécie em Portugal, embora as aves adultas se façam ouvir sobretudo durante o Inverno (de Janeiro a Março). As posturas desta espécie são compostas normalmente por 3 a 5 ovos que são incubados durante 25 a 30 dias. As crias abandonam o ninho com cerca de 21 a 24 dias de idade, muito antes de saberem voar, escondendo-se nos ramos próximos do local onde nasceram e continuando a serem alimentadas pelos progenitores.



A base da dieta do bufo-pequeno é composta essencialmente por pequenos roedores, embora os insectos e as aves possam também fazer parte da sua dieta.



Bibliografia:
- Catry, P., Costa, H., Elias, G. & Matias, R. 2010. Aves de Portugal: Ornitologia do Território Continental. Assírio & Alvim, Lisboa. ISBN: 978-972-37-1494-4.
- STRI Rapinas nocturnas: Acedido em 10 de Maio de 2014 em http://rapinasnocturnas.blogspot.pt/


Sem comentários: