quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Devolução à Natureza de 2 mochos-galegos em Curia


No dia 7 de Agosto de 2012 às 19:15 foram devolvidos à Natureza 2 mochos-galegos (Athene noctua) em Curia, Anadia.


A acção foi realizada em parceria entre a ALDEIA/CERVAS e o Curia Palace Hotel & Spa, que disponibilizou os espaços do hotel para a realização da acção de esclarecimento e a deu a possibilidade de libertar as aves junto a uma das suas áreas agrícolas.


Uma das aves tinha embatido contra a viatura de uma pessoa que de imediato a encaminhou para o SEPNA/GNR de Anadia e Reserva Natural do Paul da Arzila (RNPA). A outra tinha sido encontrada presa dentro de uma adega particular cujo proprietário a encaminhou directamente para a RNPA.


Após terem sido avaliadas e tratadas as aves passaram por um processo de treino de voo e caça em contacto com outros mochos-galegos para socialização e aprendizagem.


O CERVAS agradece a hospitalidade e interesse demonstrado pelo Curia Palace Hotel & Spa na realização desta acção e está disponível para futuras acções de colaboração que contribuam para a sensibilização e educação ambiental da população.

2 comentários:

Ana Rosmaninho disse...

Boa Tarde!

A algum tempo atrás encontrei um mocho na estrada. Pensámos ser bebé, mas agora sabemos que era desta espécie. (tamanho pequeno) Quando nos apercebemos que ainda estava vivo,levámo-lo para casa e tentámos procurar na internet um número de um centro de recuperação. Sem sucesso!
Acabámos por entregá-lo na GNR de Anadia, devido ao facto de também ser noite e não sabermos o que fazer. Fiquei com esperança que fosse um destes animais.
No dia seguinte liguei para a GNR e disseram-me que o animal já tinha sido recolhido, mas não me souberam dizer por quem, ou para onde.

CERVAS disse...

Boa tarde, normalmente os animais entregues ao SEPNA-Anadia são encaminhados para a Reserva Natural do Paul da Arzila, que por sua vez os envia para o CERVAS. Em relação a esse animal que refere, se me indicar a data da recolha e freguesia onde o encontrou talvez possamos saber qual é. Até breve. Ricardo Brandão