segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Espécie do mês de Outubro: Peneireiro-vulgar


O Peneireiro (Falco tinnunculus) é uma ave de rapina diurna de pequeno porte, que atinge de comprimento 32-38 cm e envergadura de 68-78 cm. O seu peso varia entre as 125 e as 325 gramas, sendo a fêmea maior do que o macho. É um falcão esbelto com asas compridas e pontiagudas e cauda longa.

Esta espécie apresenta um grande dimorfismo sexual, ou seja, apresentam características externas que permitem distinguir os sexos.: têm uma plumagem diferente, embora ambos os sexos apresentam um pequeno “bigode” preto. Os machos caracterizam-se pela cor castanho-avermelhada no dorso e supra-alares (com pequenos pontos escuros), rémiges castanho escuras, cabeça e cauda cinzento azuladas e nesta, uma barra terminal larga e preta. A fêmea, como os juvenis, tem partes superiores castanho avermelhadas e cauda com pronunciadas barras preto acastanhadas.

Esta espécie é residente em Portugal Continental e Ilha da Madeira, mas distribui-se também pelo resto da Europa, Ásia, África até ao Cabo da Boa Esperança.
É um pequeno falcão que habita em campos abertos e de cultivo, urzais, bosques (excepto bosques muito frondosos), áreas de salgueiros ou vidoeiros e que nidifica frequentemente em ninhos velhos de outras aves, em árvores ou cavidades rochosas, encontrando-se também em plena cidade.

O Peneireiro ocupa os ninhos abandonados, ou aproveita buracos existentes em árvores ou rochas, e até mesmo as fendas e vãos das paredes de grande edifícios.



O período de incubação é de 27-30 dias sendo a postura normalmente em Abril/Maio com um total de 4 ou 5 ovos, sendo estes incubados pela fêmea. As crias são alimentadas por ambos os progenitores e o seu primeiro voo é aos 28-30 dias. Este falcão possui a capacidade de “peneirar” devido a um ritmado batimento das asas, o que lhe permite detectar assim as suas presas.

A
presenta um estatuto de conservação definido pelo ICNB como Pouco Preocupante. Entre as principais ameaças, evidenciam-se os rodenticidas e insecticidas, a captura ilegal e também a mecanização da agricultura.

Sem comentários: