Apoie o trabalho do CERVAS! Faça um donativo para o NIB: 003503540003190733089 (Caixa Geral de Depósitos de Gouveia), ou apadrinhe um animal em recuperação.

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Recaptura de um andorinhão-pálido devolvido à Natureza em 2011


No final de Outubro de 2014 o CERVAS recebeu um cadáver de um andorinhão-pálido anilhado, entregue pelo SEPNA/GNR de Gouveia. Após consulta da base de dados de anilhagem verificou-se que esta ave tinha sido devolvida à Natureza no dia 25 de Julho de 2011. Este caso é uma das mais interessantes confirmações de sobrevivência de um animal recuperado pelo CERVAS até ao momento.



Esta ave tinha ingressado no CERVAS no dia 8 de Julho de 2011, muito magra e debilitada (com 25g) e com as penas ainda em crescimento, tendo provavelmente caído precocemente do ninho.


O processo de recuperação deste e de muitos outros andorinhões consistiu em alimentação à base de larvas de tenébrios, de 2 em 2 horas, até à condição física e as dimensões das penas de voo serem as adequadas.


A evolução do peso foi consistente durante os 16 dias que durou o processo de recuperação e a ave foi devolvida à Natureza com 43g e 164mm de asa, ou seja, dentro dos parâmetros considerados adequados.


O facto desta ave ter sido encontrada novamente, apesar de morta, revela que a recuperação foi bem sucedida. Tendo em conta que a plumagem desde animal encontrado num sótão de uma habitação de Gouveia é de adulto podemos concluir que o andorinhão sobreviveu o tempo necessário para fazer a muda e que provavelmente terá feito migrações para África de forma normal, em conjunto com os outros indivíduos da mesma espécie.


Como o cadáver já estava num avançado estado de decomposição não foi possível confirmar a causa de morte. No entanto, tudo indica que entrou por um orifício por baixo de uma telha levantada numa habitação, caiu num sótão e não conseguiu sair, acabando por morrer. Através das informações cedidas pela pessoa que a encontrou e pela interpretação do estado do cadáver estima-se que a ave terá morrido na Primavera de 2014, sendo por isso possível que estivesse a tentar encontrar um local para nidificar. 

1 comentário:

Anónimo disse...

Excelente. Parabéns.
Artur