Mensagens

A mostrar mensagens de Dezembro, 2021

Milhafre-real equipado com um emissor GPS e devolvido à Natureza


No dia 13 de Dezembro de 2021 foi devolvido à Natureza um milhafre-real (Milvus milvus) em Figueira de Castelo Rodrigo (FCR). Este indivíduo, de uma espécie invernante que tem estatuto Vulnerável em Portugal (Criticamente em Perigo, se considerarmos a reduzida população Residente) tinha ingressado no CERVAS a 16 de Outubro, após ter sido recolhida por um particular em Reigada, Figueira de Castelo Rodrigo, que a entregou ao Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR de Vilar Formoso.





No momento do ingresso esta ave apresentava uma fractura numa das asas devido a atropelamento. Após um processo de recuperação relativamente rápido, esta ave foi equipada com um emissor GPS pela organização espanhola AMUS (Acción por el Mundo Salvage) no âmbito do projecto LIFE EUROKITE o que permitirá conhecer os movimentos deste indivíduo e contribuir para um maior conhecimento sobre as ameaças que afectam esta espécie, que se encontra em declínio a nível europeu, devido a diversos problemas como o uso ilegal de veneno, electrocussão ou abate ilegal a tiro.




Finalmente, o milhafre-real foi libertado numa área agrícola próxima de FCR numa acção organizada pelo CERVAS, Ambieduca e Associação Transumância e Natureza que contou com a presença de crianças e jovens do Agrupamento de Escolas local e do SEPNA/GNR de Vilar Formoso.






Devolução à Natureza de 25 mochos-galegos

 

Entre Abril e Dezembro de 2021 foram devolvidos à Natureza 25 mochos-galegos (Athene noctua).






O total de ingressos de indivíduos desta espécie durante o ano foi de 42 (37 vivos e 5 mortos), um número semelhante ao dos últimos 4 anos, pelo que parece ter havido uma estabilização no nº de ingressos desta espécie.









A maior parte dos mochos eram juvenis que tinham sido encontrados quando ainda eram jovens, alguns deles após saída precoce dos ninhos, outros predados por gatos e ainda alguns que tinham sido vítimas de atropelamento. Quanto aos adultos, a maior parte ingressou devido a atropelamento, tendo havido também alguns casos de cativeiro acidental, quando ficaram retidos dentro de chaminés.










As devoluções à Natureza decorreram em diversos locais da região centro, nomeadamente Gouveia, Fornos de Algodres, Nelas, Estarreja, Ovar, Seia e Mortágua.







Na maior parte das acções o CERVAS contou com a colaboração de várias entidades parceiras, nomeadamente o GAFAgrupamento de Escolas e Município de Gouveia, Município de Nelas, Município de Estarreja / BioRia / Observaria, Associação Amigos do Cáster / Município de Ovar, Chão do Rio, Raízes e Memórias, Universidade de Aveiro / Departamento de Biologia e Município de Fornos de Algodres a quem agradecemos toda a ajuda.







Devolução à Natureza de 98 andorinhões

 

Entre Maio e Novembro de 2021 foram devolvidos à Natureza 98 andorinhões.





O total de ingressos foi de 147, o máximo registado desde o início da actividade do CERVAS, na sequência de um aumento gradual que tem sido registado ano após ano.






Destes, 127 foram ingressos vivos e 20 ingressos mortos.






Em relação às espécies, 99 foram andorinhões-pálidos (Apus pallidus) e 48 andorinhões-pretos (Apus apus).






Os resultados de devolução à Natureza foram de 77%, o que pode ser considerado um resultado positivo, bem acima dos cerca de 60% de eficácia se forem considerados os ingressos totais do centro.






Estes dados confirmam a importância de um encaminhamento rápido de todos os andorinhões que sejam encontrados, sem que lhes seja dado nenhum tipo de alimentação e sem que haja contacto com pessoas, de forma a que o mais rapidamente possível os animais sejam alimentados com insectos e colocados em contacto com outros andorinhões no centro de recuperação mais próximo.








Conheça melhor os andorinhões aqui.