Apoie o trabalho do CERVAS! Faça um donativo para o NIB: 003503540003190733089 (Caixa Geral de Depósitos de Gouveia), ou apadrinhe um animal em recuperação.

terça-feira, 27 de maio de 2014

"Os cágados vão à escola" em Celorico da Beira


No dia 26 de Maio de 2014 decorreu uma acção de sensibilização sobre cágados em duas escolas de Celorico da Beira.


Durante a primeira parte da manhã foram realizadas duas palestras na escola de S. Pedro para um total de cerca de 80 alunos e respectivos professores.



Seguindo a metodologia das acções anteriores relacionadas com este projecto, os alunos foram informados previamente e trouxeram os cágados exóticos que têm em casa para que fosse feita a identificação da espécie.



Mais uma vez foi possível detectar que para além de espécies de venda legal continuam a ser comercializadas espécies ilegais, como é o caso da tartaruga-de-orelhas-amarelas (Trachemys scripta scripta).


Um dos objectivos destas acções é precisamente a sensibilização para a problemática das espécies invasoras e o seu impacto nas espécies autóctones. 


Por isso, uma das formas de comunicação é a utilização do conto "Mauro e Emilia", elaborado pelo Parque Biológico de Gaia, a quem agradecemos a cedência das ilustrações, no âmbito do projecto LIFE Trachemys


A segunda parte da manhã decorreu na escola de Santa Luzia e contou com a participação de cerca de 70 alunos e respectivos professores.


Além da problemática das espécies exóticas invasoras foram abordados outros aspectos relacionados com a conservação do cágado-mediterrânico (Mauremys leprosa) e o cágado-de-carapaça-estriada (Emys orbicularis), que ainda são espécies autóctones relativamente desconhecidas para a maior parte da população.


O CERVAS agradece ao Município de Celorico da Beira o grande interesse na temática e a disponibilidade para organização das acções e também aos alunos e professores das escolas visitadas.

1 comentário:

Anónimo disse...

Uma excelente iniciativa de sensibilização. Só espero que tenham explicado que uma tartaruga não vive num "rim" ou numa bacia com água.